• VIRTUDE E CRIME

    0 de 5

    A alemã Berta Nora conta -nos como a vida lhe teceu
    armadilhas repletas de ironias e revelações chocantes. Como a sua história
    a levou a amadurecer e a encontrar o
    seu caminho de dignidade e auto-realização…

    12.00€
  • DAKOTA E A VILA DO SOL

    0 de 5

    Domingo, em algum lugar no sul da Europa. As mulheres estendem as suas roupas, os
    homens preparam-se para o jogo de xadrez que faz parte da tradição da pequena vila, e
    as crianças brincam sem noção do tempo e sem perigo algum. Vila do Sol está encravada
    no meio de um grande vale, cercada de colinas e serras, onde o sol nasce e fica e recolhese
    apenas para deixar a lua brilhar.
    O relógio aponta onze e quarenta e cinco da manhã. Da pitoresca calçadinha, é possível
    avistar o trem, que acabou de deixar seus passageiros na estação. Com passadas rápidas
    e leves e usando um vestido preto colado ao corpo, Dakota passa por Jaime e Inocêncio.
    Os dois velhos amigos interrompem a conversa e suspendem a respiração.
    Pouco depois, um grito de pavor os arranca de seu jogo. No centro da vila, a poucos
    metros da igreja, eles encontram Dakota ajoelhada no chão, balbuciando com as mãos
    ensanguentadas: − Ela está morta!
    Um caso misterioso. Para esclarecê-lo, o capitão Maya da polícia local pede ajuda ao
    grande detetive Roseta, homem vaidoso e bom conhecedor de vinhos.

    12.00€
  • PALAVRAS DE FOGO

    0 de 5

    Os poemas que constituem o livro Palavras de Fogo, de Jidi Majia, traduzido por José Luís Peixoto, são abertamente identitários. O eu poético confunde-se com o autor sem qualquer constrangimento, são diversas as ocasiões em que se refere o próprio nome de Jidi Majia no interior de poemas. E, também dessa forma despudorada, desenvolve-se bastante o sentimento de pertença, a defesa das origens, a assunção apaixonada de uma identidade local e cultural. Esse aspeto, no âmbito da história recente e da realidade chinesa contemporânea, assume uma dimensão política muito forte, explicitada em múltiplas passagens. Ainda assim, sem contradizer estas características, é muito evidente que não estamos perante uma forma de poesia apenas “local” ou, se preferirmos, “étnica”. Jidi Majia refere-se de modo abundante e direto ao vasto mundo, com referências concretas e a defesa inabalável de uma postura humanista.

    15.00€
  • A SEDUTORA TINTA DE MINHAS NOUTES

    0 de 5

    O livro A sedutora tinta das minhas noutes, de Jorge Carlos Fonseca, um dos grandes poetas contemporâneos de Cabo Verde, é uma seleta de textos poéticos, uns inéditos, outros de livros anteriores do autor, feita pelo seu conterrâneo o escritor Arménio Vieira, assim como textos de fortuna crítica sobre o conjunto da sua obra poética por parte de ensaístas e de escritores. O livro – décima publicação da coleção poética Rose is a rose is a rose, da Rosa de Porcelana Editora – de pendor abstracionista, sendo o autor um dos cultores da poesia surrealista na literatura cabo-verdiana, tem como figurino de capa um quadro do artista plástico e poeta luso-cabo-verdiano António Pedro, no ano de celebração do 110º aniversário do seu nascimento.

    15.00€
  • SER ALICE

    0 de 5

    O AMOR É SOBRE FICAR. Na vontade de permanecer, na saudade que a ausência
    impõe.
    O AMOR TEM DE SER FÁCIL. Tem de nos transportar e fazer levantar os pés do chão.
    Tem de ficar marcado na pele. Sem medo, sem hesitação, sem culpa e sem a dúvida
    que mata.
    O AMOR É A CERTEZA DA VIDA. Desta vida e não de outra.
    Talvez amar nos assuste. Talvez amar seja isso. O susto constante da perda de nós
    para acordarmos.
    Vamos então soltar as palavras. Aquelas que nos afligem e consomem. Aquelas que
    nos matam lentamente.
    Palavras que, soltas, podem voar e transformar-se em comportamentos, acções e hábitos.
    QUE HÁBITO MELHOR QUE AMAR?

    12.00€
  • O TÚNEL DAS INTENÇÕES

    0 de 5

    UM THRILLER INTENSO E EMPOLGANTE.
    Um laboratório de pesquisa biomédica desenvolve um projecto de investigação que
    visa criar um medicamento com ervas e germes benignos recolhidos próximo de
    Machu Picchu. Pretende-se obter a cura de inúmeras doenças e prevenir algumas perturbações
    de extrema gravidade. Mas o produto gera também uma propensão para o
    prolongamento substancial do tempo de vida do ser humano.
    Suspense, conspiração e tensão permanente… a máfia russa e o Sendero Luminoso… o
    povo Ashaninka e um xamã com 138 anos… cientistas assassinados, investigações
    policiais fracassadas, mensagens misteriosas, interesses financeiros e geopolíticos
    que se entrecruzam…

    16.90€
  • O MILAGRE DA VIDA

    0 de 5

    AMA, SONHA, LUTA, CONQUISTA, COMETE LOUCURAS,
    ERRA MUITO, APRENDE MUITO: VIVE!
    Quero ser feliz! Preciso de amar!
    Lembra-te: o presente é o agora, e só o agora te poderá proporcionar o Milagre da
    Vida.
    Leonardo era um jovem sem-abrigo que perdera tudo: família, casa, emprego e dignidade.
    Quando decidiu acabar com a sua vida, Lara apareceu. Bela, misteriosa e
    alegre, ensinar-lhe-á o significado dos Milagres da Vida e como viver cada dia como
    se fosse o último. Surge assim a oportunidade de lutar por um novo caminho para a
    felicidade. Surge a esperança…
    Uma história fascinante de superação, de amor e de crença na constante possibilidade
    de novos começos.

    14.90€
  • DIZER O INFINITO EM AIS DE BRILHO E ESPANTO

    0 de 5

    “Para ler a poesia de Aires Gameiro é urgente despovoar-se das ideias e dos pensamentos
    e sentir cada uma das suas palavras arrumadas em verso, com múltiplas facetas.
    Diz-nos o autor que ‘cada poesia é uma ousadia’ e que ‘poetar é mudar a prosa
    em luar’… Assim sente o poeta, que na busca do indizível sabe que as palavras trazem
    mudança e nascem nos dias claros e inspiradores, até adormecerem amadurecidas,
    já sem sol, iluminadas pelo luar…!” Délia Gomes

    14.90€
  • ESPREITAR A FAMA

    0 de 5

    NO MUNDO TRAIÇOEIRO DOS FAMOSOS, DIFERENTES PERCURSOS DE VIDA ACABAM,
    AFINAL, POR REVELAR O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PALAVRA AMOR.
    Luana quer ser atriz, Marta quer ser famosa.
    Quando aquela miúda da Serra da Estrela, correndo atrás do seu sonho, veio a Lisboa
    fazer um casting, a sua vida mudou para sempre. Entrando no mundo da fama, descobriu
    que nem tudo era tão cor-de-rosa como imaginava…
    As tumultuosas relações com a imprensa, que se cruzam com o amor, a amizade, a
    traição e a corrupção, confrontam Luana com enormes dificuldades e obrigam-na a
    pagar um preço elevado pelas suas opções. No final, percebemos que para nos libertarmos
    das amarras que querem impor-nos precisamos de ter coragem para lutar contra
    o preconceito.
    Neste romance intenso, dinâmico e arrebatador, que também nos oferece momentos
    divertidos e alguns mistérios por desvendar, a emoção está sempre presente e leva-
    nos a refletir sobre princípios e valores.

    15.90€
  • FORA DOS EIXOS

    0 de 5

    Poemas de desamor e outras histórias.
    Permitam-me ser contraditório, fingir que finjo, ser honesto por vezes e dizer o que
    os outros pensam que devo sentir. Assim não haverá lugar para dúvidas, apenas uma
    incerteza sagaz que não sabe mais do que deve, nem importuna quem se acha descansado
    em vital suspensão.

    13.90€
  • MARIA! NÃO ME MATES, QUE SOU TUA MÃE!

    0 de 5

    Sexo, dinheiro, amores contrariados, violência doméstica, ganância e
    matricídio. Ou «o maior crime que viu o mundo, praticado em Lisboa no
    ano de 1848», como diz Camilo Castelo Branco. Uma arrepiante história
    de faca e alguidar parodiada pelo genial escritor.

    7.42€
  • O HOMEM QUE MATOU O ESQUECIMENTO GLOBAL

    0 de 5

    O Homem que matou o esquecimento global é uma viagem de sentidos. Agrupando textos de estilos diferentes, alguns em parceria com outros autores, Carlos Musga leva o leitor por diversos caminhos. A escrita cheia de subtilezas desperta sentimentos contraditórios: profundos, hilariantes, malandros, quotidianos.
    A forma de conhecer esta obra é um desafio: abra em qualquer página, leia um conto, sinta-o. Agora repita o processo: seguramente a reacção será diferente. E é desta forma de Carlos Musga, como um viajante experiente da vida, nos obriga a relembrar fases, histórias, sentimentos. É com personagens ricas e cenários comuns que reaviva, no leitor, o esquecimento comum do passar do tempo.
    Sobre “O homem que matou o esquecimento global” e Carlos Musga
    “Há uma pessoa – e um escritor – de verdade nestas palavras.” – Pedro Chagas Freitas.

    15.00€
  • DE GUADALUPE A FÁTIMA COM MARIA E SEUS DIZERES

    0 de 5

    Há muitos livros sobre Fátima, Lurdes, Guadalupe… mas nenhum é igual a este.
    Atrevemo-nos então a desafiar o leitor: constate por si próprio, analise criticamente
    e tire partido de tudo o que este livro tem para lhe oferecer.
    A insanidade dos videntes requer provas, sob pena de os estudiosos caírem na
    falácia: toda a religião e suas visões e crenças serem patológicas. Esta generalização
    ideológica pode sugerir investigadores menos credíveis e mais insanos que
    muitos videntes.
    “Trata-se de um livro difícil de classificar: não é um relato de peregrinações, embora
    evoque várias e a vários santuários; não é um livro de estudos e ensaios, embora
    também os apresente e muitas das páginas sejam fruto de estudo e reflexão aprofundada;
    não é uma obra jornalística, embora faça crónica de vários acontecimentos
    significativos. O subtítulo ‘ensaios, peregrinações e narrativas’ não consegue ser
    exaustivo na definição do conteúdo desta obra singular. (…) Este livro é precioso até
    por isso: por resistir a qualquer classificação fácil e pelos horizontes de reflexão que
    abre diante de nós.” P. Carlos Cabecinhas, Reitor do Santuário de Fátima.

    14.90€
  • NA CINTURA DA VIDA

    0 de 5

    Um retrato da vida real que em Portugal se vivia nos tempos que antecederam o 25
    de Abril. Alguns leitores hão-de recordar-se com nostalgia daquilo que neste livro se
    conta, outros tomarão consciência de como hoje somos privilegiados.
    Pelos olhos de uma criança e adolescente da classe média, confrontamo-nos com as
    dificuldades, os dramas e as alegrias de um mundo que estava a desaparecer.
    “Era daqui que iam para a escola alguns dos companheiros de Carlos, crianças que
    ficavam sem comer todo o dia, que levavam reguadas, que tinham oito e nove
    irmãos, que não tinham livros, nem cadernos, nem canetas e que, quando chegavam
    a casa depois da escola, tinham de trabalhar ou tomar conta dos mais novos.”
    Excerto da obra

    9.90€
  • NAS GAVETAS CORREM RIOS DE SOLIDÃO

    0 de 5

    Este livro é uma viagem pela condição humana, repleta de devaneios e ilusões, onde
    a realidade e a fantasia se confundem numa série de episódios absurdos sem desígnio
    aparente.
    É também um texto fragmentário, que se espraia por reflexões e poemas em prosa e
    que lida com a mais importante e incontestável questão: o que sou?
    Será talvez, e finalmente, um romance narrado por diversas personagens. Um cadáver
    em quarentena, uma jovem que se fartou de ouvir piropos ordinários e decidiu
    fazer justiça pelas próprias mãos, dois gémeos siameses com três olhos e quatro
    cabeças, uma barata gigante que é professora primária e um indivíduo hipocondríaco
    que se fechou na cave com a esperança de nunca mais ser encontrado…

    12.90€
  • FILHOS DE UM DEUS INJUSTO

    0 de 5

    A história de um miúdo pobre, criado num bairro popular de Lisboa, Alfama, que cedo revela ser possuidor de dotes intelectuais superiores à média. Mas a sua condição social, para além de não lhe possibilitar as oportunidades que mereceria, ainda lhe fecha as portas que normalmente lhe seriam escancaradas – e é a pulso que vai conseguir subir na vida, lutando contra a adversidade.

    Um livro que nos faz recordar a importância da educação – nem o meio social em que aquele miúdo cresceu lhe irá destruir os princípios e os valores que a mãe lhe transmitiu, logo na infância – e que nos transporta à sociedade portuguesa de antes do 25 de Abril, falando-nos da importância do amor, da amizade, da resiliência e da perseverança.

    Dedicado aos homens e mulheres que, com esforço e perseverança, souberam construir um futuro melhor, “Filhos de um Deus Injusto” é, no entanto, um livro dirigido a todas as gerações de portugueses; a dos actuais avós – que cresceram numa sociedade pobre, fechada, tradicionalista e com muito pouca informação, vivendo, a grande maioria, com dificuldades: a sociedade portuguesa de antes da revolução de 1974 – mas também as gerações dos seus filhos e dos seus netos, num convite à reflexão sobre o que já foi alcançado e o muito que ainda falta alcançar.

    16.90€
  • VOZES QUE ME TRAZ O VENTO

    0 de 5

    Na sua obra poética, Teresa de Almeida Gonçalves fala-nos da sua condição de mulher e de sentimentos, como o amor – de mãe, de avó, de amante, «Despi-me nas palavras para ti…» -, fala-nos também da morte, da doença, da solidão, angústias que nos atormentam, e revela-nos a sua grande paixão pela natureza imensa que nos rodeia.
    “Vozes que nos traz o vento” é o seu terceiro livro. A grande sensibilidade que transmite na sua escrita poética levou-a a receber excelentes críticas nos anteriormente publicados, “Traços da memória” e “A vida é feita de momentos”.

    14.00€
  • AINDA BEM QUE FICOU DESSE LADO

    0 de 5

    O que houve de verdadeiramente inovador em séries como Os Sopranos , Mad Men ou Breaking Bad ? Porque
    terá a Netix imitado a televisão para se substituir a ela? Estará a televisão “clássica” realmente a morrer? E
    as audiências, o que são anal e como se medem? São mais importantes nos programas ou nos intervalos?
    Para que serve um apresentador e porque pede palmas a toda a hora? Como é que nas séries fala sempre
    um de cada vez e ninguém se interrompe? Porque haverá tantas passadas em hospitais? E, claro, o que
    justica a obsessão das telenovelas (e de algumas séries) por salas gigantes, com escadarias que vão dar a
    quartos, e pequenos-almoços servidos à mesa com todos a intrigarem logo de manhã cedo?
    Estas e outras questões sobre Televisão, a sua história, a sua técnica, o impacto que teve e tem na sociedade
    e nas nossas vidas, são abordadas por Pedro Boucherie Mendes, prossional e profundo conhecedor do
    género, cuja carreira e visão têm marcado a televisão em Portugal nos últimos 10 anos.

    13.95€
  • ESPELHO CONVEXO

    0 de 5

    Em Espelho Convexo a poesia jamais morrerá; o teatro é o autoconhecimento do
    Homem; o conto eleva-nos ao grandioso gosto pelas histórias sem tempo; uma tradução
    permite-nos encontrar o sentido do todo, palavra a palavra; um estudo etnográfico
    é tão-somente conhecer as raízes de um povo; entretanto, as imagens que dividem
    os capítulos enfeitam com nobreza cada pátio de entrada.
    ► Uma obra única e incomparável, com múltiplos sentidos, que tanto podem ser harmoniosos
    como violentos, e que nos arrasta para o interior de nós mesmos na busca
    de beleza e de emoção.
    ► Neste livro, para além de poesia, poesia narrativa e um estudo etnopoético, a autora
    oferece-nos dois textos de teatro, um conto e a tradução de uma composição literária do
    poeta mexicano Jorge Manuel Herrera, numa incursão por estilos diversificados que lhe
    permitem mostrar o seu domínio do ofício e a sua capacidade experimentalista.

    14.90€
  • RIMAS ESQUECIDAS

    0 de 5

    Esquecidas são as rimas que se foram perdendo ao longo do tempo, mas que tomam
    forma para demonstrar o quão forte pode ser algo que se esqueceu.
    Como um pensamento perdido ou uma memória oculta, este livro tenta explicar a
    proveniência do nosso nascimento, da nossa felicidade, da nossa dor, dos nossos
    remorsos amorosos e, por fim, como partimos.
    ► Uma obra poética singular, muito influenciada por Fernando Pessoa e Ruy Belo.
    ► O livro ideal para os iniciantes na leitura poética, com uma estrutura muito fixa,
    que tem por base os sonetos, e com uma musicalidade envolvente.

    9.90€