• CLARIDOSIDADE_500x500

    CLARIDOSIDADE

    0 de 5

    Literatura

    25.00€
  • A Cultura na Primeira Página

    A CULTURA NA PRIMEIRA PÁGINA

    0 de 5

    Talvez um dia os jornais se façam sem jornalistas. E sem notícias. Pelo menos, sem notícias sobre temas culturais. Os resultados do projeto de investigação “Cultura na Primeira Página” mostram uma diminuição da visibilidade da cultura nos media. A representação jornalística da cultura coloca-a em locais que não costumava frequentar: em paisagens de lazer e entretenimento. Dentro de um paradigma em que tudo é cultural, os media tornaram-se alegres companheiros desta viagem pelas esquinas da diversão e da “boa vida”. Neste livro, vários autores refletem sobre as transformações do jornalismo cultural, as razões que alteraram tão profundamente uma relação antiga entre jornalismo e cultura e os impactos para a cidadania de uma diminuição da crítica e da reflexão sobre o campo cultural.

    12.90€
  • Cidades - the Lisbon Studio Series Vol. 103-1.Joana

    CIDADES: THE LISBON STUDIO SERIES, VOL. 1

    0 de 5

    Com lançamento marcado para o Festival Internacional de BD de Beja, já no próximo Sábado, CIDADES é o primeiro volume de uma colecção de antologias de histórias curtas pelos membros do The Lisbon Studio: sete histórias, oito autores e dois prefácios marcam o início desta série, num volume da melhor banda desenhada que se faz no nosso país!

    Dia 27 de Maio pelas 16h30, no Teatro Municipal Pax Julia, no centro de Beja, estarão presentes vários dos autores para a apresentação e lançamento e haverá uma sessão de autógrafos a seguir.

    …Todas estas cidades, reais e imaginárias, são tão verdadeiras como as feitas de metal e betão. Existem no espaço entre os autores e os leitores, são histórias que vivem nesses entretantos…”

    – do prefácio de Filipe Homem Fonseca

    O The Lisbon Studio é um colectivo de ilustradores, designers e autores de BD, que conta com mais de uma década de existência, e que partilham um espaço com vista para o Tejo, em Santa Apolónia. Originalmente fundado por um pequeno grupo que incluía Jorge Coelho, Rui Gamito, Frederico Penteado e outros, foi-se expandido ao longo dos anos para juntar os maiores nomes da banda desenhada naquela que é, de facto, a casa da BD em Portugal. Autores que trabalham para a Marvel, autores que representam alguns dos maiores best-sellers da BD portuguesa, autores que representam estilos e modos de criação muito variados, incluindo autores que trabalham em design, ilustração, web-design, e mais. No The Lisbon Studio – apesar da constituição dos membros do TLS se ter alterado ao longo dos anos – não só se sente a herança dos seus fundadores, como a marca deixada por todos os que por aqui passaram.

    A TLS Series é uma antologia criada pelos membros presentes do The Lisbon Studio, marcando o regresso deste colectivo ao mundo da edição, depois da publicação de um total de 11 números online – Mag e WebMag, entre 2013 e 2016 – desta vez em parceria com a ComicHeart e a G.Floy Studio.

    11.90€
  • 9789899972520

    SOCIEDADE COOPERATIVA ALMADENSE: PERCURSOS E METAMORFOSE

    0 de 5

    O presente texto, fruto de pesquisa documental e de diversos testemunhos orais, revisita, de uma forma transversal, os espaços, organização e dinâmicas da Sociedade Cooperativa Almadense (SCA), constituída formalmente em 1 de janeiro de 1891, por um grupo de operários tanoeiros e corticeiros.

    Apesar de ter sido a primeira cooperativa de consumo constituída em Almada e de se ter mantido em atividade até à década de 1990 enquanto tal, com um ligeiro interregno antes do 25 de Abril de 1974, a SCA não despertou particular atenção por parte dos investigadores em história local, o que poderá dever-se, entre outras razões, à escassez de documentação arquivística que lhe respeite, ao seu menor número de associados e, porventura, menor protagonismo político, consequência da sua localização e área de influência.

    Durante a década de 1950, a Cooperativa sofreu uma profunda remodelação, atualizando-se, e oferecendo novos serviços aos assocaados. Dispunha então, além de biblioteca, de fancaria, secção de casa, drogaria, mercearia, carvoaria, talho, peixaria e banca de frutas e legumes. Paralelamente constituiu parcerias na área da assistência médica e desportos.

    Em 2007, por razões financeiras, viu-se obrigada a encerrar definitivamente a atividade.

    6.00€
  • Histórias de Outro Mundo

    HISTÓRIAS DO OUTRO MUNDO

    0 de 5

    A obra conta com a participação de 15 autores e quer homenagear a Ficção Científica através de um conjunto de histórias desenhadas por novos autores portugueses de banda desenhada com influências que vão desde o franco-belga, passando pelos comics americanos acabando no mangá, uma verdadeira identidade lusa.

    Autores participantes:

    Pepedelrey, Álvaro, Catarina Dantas, João Monteiro, Inês Viegas, Nuno Penas, Inês Garcia, Tiago Cruz, André Rodrigues, Patrik Caetano, Ricardo Lopes, Rafael Henriques, Jorge Deodato, Sharon Mendes, Ricardo Tércio

    14.00€
  • Capa-Memorias-e-Futuro-4

    MEMÓRIA E FUTURO 4

    0 de 5

    Memórias e futuro, é a revista da Associação de Professores do Concelho de Almada e pretende ser o testemunho vivo e relevante da atividade desenvolvida ao serviço da cultura e da educação. Reúne: textos de investigação, de reflexão e testemunhos de práticas nas áreas da educação e do associativismo; textos criativos, em prosa ou em verso, dando relevo à criatividade de associados e de estudantes da Universidade Sénior de Almada – USALMA, projeto mais relevante da Associação; textos de divulgação das diversas atividades e projetos desenvolvidos em prol da comunidade.

    Folhear a revista Memórias e futuro é mergulhar nas memórias que regista e nas quais poderemos, aqui e ali, rever-nos.

    10.00€
  • Capa do livro Revisão: Bandas Desenhadas dos Anos 70. Editora Chili com Carne

    REVISÃO – BANDAS DESENHADAS DOS ANOS 70

    0 de 5

    2016 marca 40 anos do fim da icónica Visão, uma revista improvável num país com graves problemas económicos mas que se apresentava nas bancas com ar luxuoso, cores ácidas e brilhantes, temáticas políticas e libertárias.
    Quisemos comemorar esta publicação que fez uma ruptura com a BD tradicional portuguesa mas sobretudo recuperar um conjunto de BDs esquecidas dos anos 70 cheias de frescura, rebeldia e prazer criativo, vindas de outras experiências editoriais como Evaristo, O Estripador ou &etc.
    Contem com António Pilar, Bruno Scoriels, Carlos Barradas, Carlos “Zíngaro”, Fernando Relvas, Gracinda, Isabel Lobinho, J.L. Duarte, João Manuel Barroso, Nuno Amorim, Paralta & Zé Baganha, Pedro Massano, Pedro Potier, Tito, Zé Paulo (1937-2008), Zepe e ainda António Pinho, Carlos Soares, Jorge Lima Barreto (1949-2011) e Mário-Henrique Leiria (1923-1980) para muita BD psicadélica, urbana, cósmica, mórbida, erótica, pessimista, ácida, crítica, tão ying & yang tal como foi a década de 70 neste país periférico.

    20.00€
  • Capa da revista Nação & Defesa nº142 - India. Instituto da Defesa Nacional

    INDIA – NAÇÃO & DEFESA Nº142

    0 de 5
    8.50€
  • Capa do livro Sobressaltos - Terror por Autores Portugueses de BD. Europress Editora

    SOBRESSALTOS: TERROR POR AUTORES PORTUGUESES DE BD

    0 de 5

    Vinte momentos de horror, outros tantos sustos e “sobressaltos”, nesta antologia de contos de terror por alguns dos melhores autores portugueses de banda desenhada.

    Sobressaltos nasceu de um pedido por parte da organização do evento Sustos às Sextas para uma exposição ligada à banda desenhada de terror. Comissariada por Geraldes Lino, um dos mais entusiastas fãs de BD de sempre no nosso país, e por Bruno Caetano, da Comic Heart, essa exposição fez nascer a vontade de criar algo que prestasse homenagem às pequenas histórias curtas de duas páginas apresentadas. O resultado foi esta antologia que reúne pequenos episódios, momentos de terror, instantes de humor e pausas para reflexão, desenhadas por vinte grandes desenhadores (com apoio de dois argumentistas): um verdadeiro catálogo do que de melhor se faz em banda desenhada no nosso país! O resultado foi esta antologia que reúne pequenos episódios, momentos de terror, instantes de humor e pausas para reflexão, desenhadas por vinte grandes desenhadores (com apoio de dois argumentistas): um verdadeiro catálogo do que de melhor se faz em banda desenhada no nosso país!

    Com histórias de Álvaro, André Oliveira, Andreia Rechena, Bruno Caetano, Carlota Borba, Fernando Relvas, Filipe Alves, Joana Afonso, João Sequeira, José Lopes, José Smith Vargas, Luis Cavaco, Mosi, Nuno Rodrigues, Osvaldo Medina, Pedro Brito, Pepedelrey, Ricardo Drumond, Ricardo Santo, Rui Gamito, Rui Lacas, e Tiago Pimentel. Prefácio de António Monteiro.

    11.95€
  • Capa da revista Nação & Defesa nº141 - Arquipélago dos Açores

    ARQUIPÉLAGO DOS AÇORES – NAÇÃO & DEFESA Nº141

    0 de 5

    Este número temático da Nação e Defesa foca-se no arquipélago dos Açores, símbolo máximo do posicionamento euro-atlântico de Portugal.

    A geografia política e económica do nosso país é europeia, mas a sua segurança e defesa é euro-atlântica, assumindo-se este arquipélago como o “elo essencial” desta relação transatlântica, nomeadamente com os Estados Unidos da América. Na história dos Açores houve fases de grande projeção estratégica, interrompidas por períodos de desvalorização relativa da geografia, para se voltar a um novo ciclo de valorização estratégica do arquipélago.

    8.50€
  • Capa do livro Nuclear Proliferation - Nação e Defesa nº140. Instituto da Defesa Nacional

    NUCLEAR PROLIFERATION – NAÇÃO & DEFESA Nº140

    0 de 5

    A não-proliferação nuclear continuará na agenda internacional durante o ano de 2015. Recordemos 1945 e os 70 anos passados sobre o único uso de armas nucleares na História, em Hiroshima e Nagasaki, bem como o facto de se assinalarem os 45 anos da entrada em vigor do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), que terá em 2015 o ano da sua Conferência de Revisão. Nas últimas décadas temos assistido a alguns retrocessos ao nível da não-proliferação nuclear, após os sucessos verificados entre o final da década de 1980 e meados da década de 1990. Não obstante as significativas reduções nos arsenais nucleares dos Estados Unidos da América e da Rússia, assistimos no final da década de 1990 à emergência de novas potências nucleares, como a Índia e o Paquistão, cuja relação continua a preocupar a Comunidade Internacional face a um eventual escalar de tensões.

    O início do século XXI reforçou essa tendência com a revelação de um não-declarado programa de enriquecimento de urânio, levado a cabo pelo Irão, e pela retirada unilateral do TNP por parte da Coreia do Norte. Considerando este enquadramento estratégico, e tendo presente o impacto que a posse de armamento nuclear tem nas dinâmicas interestatais, tanto a nível regional como global, bem como as desastrosas consequências que tais armas poderão ter caso adquiridas por atores não-estatais, o Instituto da Defesa Nacional dedica este número da Nação e Defesa às diversas dimensões do fenómeno de proliferação nuclear.

    O número começa com um artigo de Bruno Tetrais, em que o autor reflete sobre a importância do debate sobre a questão nuclear no presente cenário estratégico. Recorrendo a diversos exemplos, passados e presentes, Tetrais considera que a dissuasão do nuclear é ainda um instrumento vital para a prevenção da proliferação, do uso de armas de destruição maciça e, mesmo, de conflitos em larga escala. Segue-se um artigo que analisa o processo de modernização nuclear em curso em algumas das potências reconhecidas pelo TNP e que, simultaneamente, são membros permanentes do Conselho de Segurança.

    O autor, Francisco Galamas, aborda inicialmente os processos de modernização nuclear de forma descritiva, elaborando, num segundo momento, sobre os motivos que subjazem a este processo e os riscos que os mesmos acarretam para a estabilidade da relação estratégica entre potências nucleares. A análise sobre os fenómenos de proliferação nuclear teria, inevitavelmente, de passar por uma abordagem às questões nucleares regionais e à sua inerente dinâmica de segurança. Neste sentido, os três artigos subsequentes centram-se no nuclear iraniano, na crise norte-coreana e nas dinâmicas nucleares no subcontinente indiano (Índia e Paquistão).

    No contributo da investigadora Tytti Erästö sobre o programa nuclear iraniano, as suas circunstâncias e tensões, são analisadas as motivações não-militares associadas a este programa. A autora reflete, igualmente, sobre o atual processo negocial entre o Irão e os Estados que constituem o denominado Grupo P5+1. A crise nuclear norte-coreana é, igualmente, merecedora de uma sustentada reflexão. Esta questão é abordada por Nuno Santiago Magalhães que, no seu artigo, analisa a Nação e Defesa 8Editorialincapacidade de dois atores preponderantes na região, a China e os EUA, em criarreais incentivos para que Pyongyang abandone as suas pretensões nucleares.

    Segue-se um texto sobre a problemática nuclear no sul da Ásia, onde o relacionamento entre o Paquistão e a Índia tem criado receios de uma escalada de tensão. No texto da autoria de Feroz Khan, são analisados os fatores que têm alimentado essa competição estratégica, nomeadamente a relação Índia-China ou a inferioridade do poder militar convencional Paquistanês face à Índia. Para diminuir uma crescente espiral de desconfiança entre estes Países, o autor defende o estabelecimento de uma paz estruturada e de uma arquitetura de segurança que permita uma relação estável entre os dois vizinhos nucleares do Sul da Ásia.

    O acesso de atores não-estatais a armamentos nucleares ou materiais radiológicos é um outro assunto que tem merecido crescente atenção. James Forest e S. K. Aghara refletem sobre esta temática e elaboram uma análise baseada nos fatores concretos e científicos da ameaça. O artigo termina com uma referência aos mecanismos a que a Comunidade Internacional recorre para reduzir o nível da ameaça e o grau de probabilidade de ocorrência de atentados desta natureza.

    Os mecanismos legais internacionais de não-proliferação nuclear e os instrumentos para a sua aplicação não poderiam ser esquecidos neste volume. Hassan Elbahtimy e Sonia Drobysz avaliam estes instrumentos quanto à implementação nacional e correspondente verificação, com especial enfâse no TNP e na Resolução n.º 1540 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Os autores enumeram e explicam a aplicação de alguns destes mecanismos legais e a sua exequibilidade.

    8.50€
  • VIVA A MALTA DO LICEU!

    0 de 5
    40.39€
  • Capa do livro Filhos e Netos da Pobreza - Estudo de uma Família numa Área Urbana Degradada, de Fausto Amaro, Leonor Correia da Silva, Mafalda Lourenço e Ana Marques da Silva. Fundação N. S. do Bom Sucesso

    FILHOS E NETOS DA POBREZA

    0 de 5
    7.56€
  • Capa do livro A Visão em Desenvolvimento Infantil - O Programa de Saúde da Visão na Fundação Nossa Senhora do Bom Sucesso

    A VISÃO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL

    0 de 5
    19.13€
  • Capa do livro Dicionário Antológico de Artes e Letras de Gondomar. Evolua Edições

    DICIONÁRIO ANTOLÓGICO DE ARTES E LETRAS DE GONDOMAR

    0 de 5
    10.00€
  • Capa do livro Liberdade de Escolha em Saúde, coordenação de Adalberto Campos Fernandes. Diário de Bordo Editores

    LIBERDADE DE ESCOLHA EM SAÚDE

    0 de 5
    10.00€
  • Capa do livro Recursos Humanos em Saúde - A Importância de Valorizar o Factor Humano. Coordenação de Adalberto Campos Fernandes. Diário de Bordo Editores

    RECURSOS HUMANOS EM SAÚDE

    0 de 5
    10.00€
  • Capa do livro Serviço Nacional de Saúde - Para uma Conversação Construtiva. Diário de Bordo Editores

    SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE – PARA UMA CONVERSAÇÃO CONSTRUTIVA

    0 de 5
    10.00€
  • VOCABULÁRIO DE TERMOS E CONCEITOS DO ORDENAMENTO…

    0 de 5

    VOCABULÁRIO DE TERMOS E CONCEITOS DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

    16.15€
  • DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL

    0 de 5
    16.65€