• Capa do livro Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena. A Outra Face do Homem. Organização de Ivo Cabral, Márcia Souto e Filinto Elísio. Rosa de Porcelana Editora

    CARTAS DE AMÍLCAR CABRAL

    0 de 5

    As cartas que o líder histórico das independências de Cabo Verde  e Guiné Bissau, Amílcar Cabral, escreveu, durante mais de uma década, à sua mulher, foram reunidas  neste livro.

    “Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena: a outra face do homem”, uma publicação da editora da Rosa de Porcelana, reúne 53 cartas escritas por Amílcar Cabral a Maria Helena Vilhena Rodrigues, entre 1946 a 1960.

    São cartas íntimas para aquela que foi, respetivamente no tempo, colega de curso, namorada, esposa e companheira de luta. Cartas de amor e/ou cartas com amor, ao mesmo tempo que, em linhas ou nas entrelinhas, se inferem os tempos históricos e os lugares.

    Organizado pela filha de Amílcar Cabral Iva Cabral, e pelos editores Márcia Souto e Filinto Elísio, o livro integra, além das cartas, fotografias, poemas e notas.

    Conta ainda com textos do ex-presidente da República de Cabo Verde, Pedro Pires; da professora Inocência Mata e do sociólogo Carlos Lopes.

    30.00€
  • Capa do livro Cabo Verde: Gestão das Impossibilidades, de José Maria Neves. Rosa de Porcelana

    CABO VERDE – GESTÃO DAS IMPOSSIBILIDADES

    0 de 5

    José Maria Neves, Primeiro-Ministro de Cabo Verde, lança o livro “Cabo Verde: Gestão das Impossibilidades”, publicado pela Rosa de Porcelana Editora.O livro resulta não só da compilação de textos e de intervenções de José Maria Neves, nos últimos anos, mas também de um conjunto de notas do Autor sobre os principais desafios de Cabo Verde. É, nesse sentido, um olhar sobre a essência da democracia cabo-verdiana e as dinâmicas que a moldam, consubstanciadas na Agenda de Transformação e nas causas que a projetam para novos horizontes e para novas sociabilidades nacionais. No discorrer sobre a atualidade política, económica, social e cultural, sobressaem, nas cerca de 130 páginas do livro, tanto reflexões doutrinárias como considerações de teorizador, feitas para além da espuma dos dias.

    15.00€
  • Capa do livro Sinos de Silêncio, Canções e Haikais, de Corsino Fortes. Rosa de Porcelana Editora

    SINOS DE SILÊNCIO

    0 de 5

    Trata-se de um livro de poemas, que o autor pretende ser uma ruptura com o “cânone” surgido com Pão & Fonema, em 1974, livro esse que “revolucionou” a poesia cabo-verdiana desde então.
    “Sinos de silêncio, canções e haicais” é um projecto que há muito Corsino Fortes vem trabalhando, principalmente numa forma de poesia que descobriu e tem sido em cima dele que tem construindo as suas histórias – o haicai (expressão poética japonesa). Alguns desses poemas já foram, de resto, publicados pelo autor na sua página do Facebook, causando a maior surpresa entre os seus admiradores.

    20.00€
  • Capa do livro Crónicas Desaforadas, de João Branco. Rosa de Porcelana Editora

    CRÓNICAS DESAFORADAS

    0 de 5

    O livro reúne 30 crónicas feitas pelo autor durante cinco anos. Crónica é uma forma de criação que este conhecido encenador elege como tipo de escrita preferida e no qual se especializou.

    “Crónicas Desaforadas” é a expressão de um cidadão mindelense assumido, interventivo, que se deixou adoptar como filho, que não sendo de ventre crioulo, foi, por opção, gerado em útero mindelense, aconchegantemente materno, e que se revela profundo conhecedor desta terra-mãe, adoptada, ‘cidade mistério’, ‘cidade do pecado’, de contrastes e de gentes que, com optimismo latente, respondem às agruras da vida.

    15.00€
  • Capa do livro Dilemas de Poder na História de Cabo Verde, de António Correia e Silva. Rosa de Porcelana Editora

    DILEMAS DE PODER NA HISTÓRIA DE CABO VERDE

    0 de 5

    “Dilemas de Poder na Historia de Cabo Verde” é o mais recente livro do historiador e ministro do Ensino Superior, Ciência e Inovação, António Correia e Silva. Trata-se de um trabalho de investigação que conforme disse o autor, o poder é encarado na obra nas suas múltiplas dimensões como na da celebração da morte e na produção da memória colectiva, nas relações entre os sexos e nas de filiação, também nas relações laborais e internacionais e até no próprio processo político.

    15.00€
  • Capa do livro Sequelas do Brumário, de Arménio Vieira. Rosa de Porcelana Editora

    SEQUELAS DO BRUMÁRIO

    0 de 5

    Em 2009 tornou-se o primeiro escritor cabo-verdiano a obter o Prémio Camões, a mais importante distinção literária na língua portuguesa. “Sou um poeta, apenas isso”

    Natural da Cidade da Praia, cidade presente em boa parte da sua poesia, dono de uma obra inconfundível, cabo-verdiana e ao mesmo tempo universal, Arménio Vieira revelou-se na primeira metade da década de 60 do século XX, juntamente com os também poetas cabo-verdianos Mário Fonseca e Osvaldo Osório.

    15.00€
  • Capa do livro Fantasmas e Fantasias do Brumário, de Arménio Vieira. Rosa de Porcelana Editora

    FANTASMAS E FANTASIAS DO BRUMÁRIO

    0 de 5

    Arménio Vieira, membro na Academia Cabo-verdiana de Letras, em 2009 foi-lhe atribuído o Prémio Camões, o mais importante galardão literário da língua portuguesa.

    Certamente que Descartes sabia o lugar e o nome donde parte o Reno ou qualquer outro rio.

    O que ele nunca soube (nem ele nem ninguém) é a fonte onde nascem as palavras, donde surgem os pensamentos.

    15.00€