• darwin

    CABO VERDE: O DESPERTAR DE DARWIN

    0 de 5

    Cabo Verde: o Despertar de Darwin – Caminhos de Charles Darwin na Ilha de Santiago, de António Correia e Silva e Zelinda Cohen, é uma descrição sobre os momentos de passagens do naturalista inglês Charles Darwin pelo arquipélago de Cabo Verde, mais precisamente a ilha de Santiago.

    Nos dois momentos de passagens, a bordo do navio Beagle – em viagem e em torna-viagem –, o cientista não só se surpreende com a vida natural e a geologia de Santiago, como recolhe ali elementos que serão cruciais para a construção da sua conhecida teoria da evolução das espécies, consubstanciada no livro “A Origem das Espécies”.

    Os autores trabalham em grande medida com documentos do arquivo sobre o naturalista, com especial enfoque para os diários e relatos biográficos em torno desta grande figura da ciência.

    O livro também é um grande subsídio para a montagem de um roteiro histórico sobre o encontro de Darwin com Cabo Verde, permitindo hoje criar circuitos de interesse pedagógico e turístico. Encontra-se anexo ao livro um mapa pictográfico com os pontos mais relevantes desta histórica passagem.

    Da perspetiva dos autores, o primeiro encontro de Darwin com a realidade dos trópicos (como ilustram as fotografias assinadas por Zé Pereira), que efetivamente aconteceu na ilha de Santiago, em  1831 e 1836, mudou a vida do então jovem cientista como doravante a História das Ciências.

    15.00€
  • Capa-Esticar-o-Infinito-ate-a-Borda-do-Prato

    ESTICAR O INFINITO ATÉ À BORDA DO PRATO

    0 de 5

    ESTICAR O INFINITO ATÉ À BORDA DO PRATO, de Rony Moreira, é um livro estruturalmente convincente e com inebriante cheiro de coisa nova. Este jovem poeta estreia-se com uma inusitada sedução criativa, atravessada no livro por rara inquietude semântica, transposição estilística e plasticidade metafórica. O conjunto dos escritos divide-se em quatro cadernos interiores – “O Dom-Nato da Terra-Chão”, “Mordedura de Azáfama nos Ciscos”, “O Recado Escrito da Avó” e “Retrato de uma Cidade Fisicamente Impossível” -, cada um caracterizado pela compulsão de complementaridade e de genuína irreverência. Uma voz nova a remarcar a poesia cabo-verdiana nesta segunda década do século XXI.

    10.00€
  • Capa-Poeiras-de-Diasa

    POEIRAS DE DIASÂ

    0 de 5

    Poeiras de Diasâ, o livro com que se comemora 40 anos de escrita de João Lopes Filho, não se enquadra num género literário único, antes apresenta uma mescla entre a crónica e o conto, textos em que a memória é a tónica com que se tecem viagens e torna-viagens. João Lopes Filho, o escritor cabo-verdiano com mais livros publicados, apresenta uma narrativa na qual se pode ver traçado um percurso muito comum ao povo marcado pela migração.

    15.00€
  • Capa-Novos-Subsidios-para-a-Historia-de-Cabo-Verde

    NOVOS SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DE CABO VERDE

    0 de 5

    O Embaixador Daniel Pereira preparou o presente livro, privilegiando a publicação de uma seleção de documentos do século XIX que enriqueceu, com a sua escrita própria, analisando-os, anotando-os e, por vezes, estabelecendo convictamente elos com a atualidade, numa livre mas verificável interpretação das informações.

    15.00€
  • Capa-O-Escravo-e-Epistola-A...

    O ESCRAVO & EPÍSTOLA

    0 de 5

    O Escravo assinala o nascimento da literatura cabo-verdiana em prosa. A expressividade do título decorre não só do facto de ele identificar a realidade social da época, mas também de nos chamar a atenção e de nos despertar para outra realidade, ainda mais curiosa, onde, no seio da massa escravocrata, se pudesse atender a um escravo enquanto sujeito bem definido, numa época em que um escravo era só um objeto. Epístola a… trata-se de um poema que engenhosamente mistura elementos líricos e épicos. As ilhas de Cabo Verde aparecem como lembrança invocada por “de café pequena taça” que traz recordações de “uns doze’ anos de bem custosa vida” e “d’esse povo meigo e dócil”.

    15.00€
  • silvenius

    SILVENIUS

    0 de 5

    Arménio Vieira, escritor e poeta, único cabo-verdiano galardoado com o Prémio Camões, lança o seu décimo livro, intitulado “SILVENIUS – ANTOLOGIA POÉTICA”, com a chancela da Rosa de Porcelana Editora.
    Este livro, que se difere dos anteriores por ser uma seleção feita pelo próprio Autor dos seus exercícios poéticos ao longo dos últimos quarenta anos – em verdade, desde o aparecimento da figura Silvenius, uma espécie de pseudónimo, questionador de poemas “transitivos” e da “poesia utilitária” de um certo fazer literário cabo-verdiano.
    Numa centena e meia de páginas, Arménio Vieira escolhe, entre a sua lavra, os textos poéticos que mais se afinam pelo diapasão universalista e existencialista de Silvenius, optando pelo viés modernista de intertextualidade com outros escritores do mundo, tais como Shakespeare, Cervantes, Camões, Whitman, Baudelaire, Rimbaud, Pessoa, e Borges, entre tantos, bem como os mais próximos como Osvaldo Alcântara, Valcobra, João Vário e Mário Fonseca.
    Outro aspeto digno de registo é o indiciar que este livro marca o fim da fase dos Brumários, composto por quatro livros – O Brumário, Derivações do Brumário, Sequelas do Brumário e Fantasmas e Fantasias do Brumário -, uma espécie de linha poética do Autor, desde 2013.

    15.00€
  • Capa do livro Gritos no Silêncio, de Jacob Vicente. Rosa de Porcelana Editora

    GRITOS NO SILÊNCIO

    0 de 5

    “Gritos no Silêncio: Pedofilia, Abuso Sexual e Sociedade Cabo-verdiana”, de autoria do psicólogo Jacob Vicente, trata de uma obra ímpar, em que são narrados casos reais que envolvem pedofilia e abuso sexual, na ótica das vítimas, muitas vezes silenciadas por diversas razões. O Autor, neste livro, procura partilhar com o público-leitor vários gritos de socorro, que muitas vezes não são ouvidos ou ouvidos tardiamente. O livro também se propõe a ser uma chamada de atenção para o estado de vulnerabilidade em que muitas crianças se encontram nas nossas sociedades.

    15.00€
  • ESTRANGEIRAS

    0 de 5

    “Ao tentarem entrar nos Estados Unidos, três mulheres, chegadas de diferentes latitudes da lusofonia, são obrigadas a ficar juntas durante algumas horas numa sala da polícia de fronteira do aeroporto. É na incerteza dessa espera que, aos poucos, vão mostrando o que são e o que pensam umas sobre as outras.
    Este texto teatral do premiado escritor José Luís Peixoto reflete sobre os diversos espaços de uma língua espalhada pelo mundo, sobre o seu património de referências, a sua riqueza e, também, sobre os seus preconceitos, contradições e problemas. “

    15.00€
  • Capa do livro Zen Limites, de Filinto Elísio. Rosa de Porcelana Editora

    ZEN LIMITES

    0 de 5

    ZEN LIMITES é mais o recente livro do escritor cabo-verdiano Filinto Elísio. É composto por 91 textos entre poemas e notas poéticas, em que o autor, em clara bibliofilia, deixa-nos conhecer o seu universo caleidoscópico de escritores de sua eleição. Este livro é um profuso diálogo com outros escritores e uma sistemática de intertextos com diversas obras. De Manoel de Barros e Baudelaire a Derek Walcott, de Miguel Torga e Jorge Barbosa a William Shakespeare, a poética de Filinto Elísio revisita a literatura universal.

    15.00€
  • Capa do livro Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena. A Outra Face do Homem. Organização de Ivo Cabral, Márcia Souto e Filinto Elísio. Rosa de Porcelana Editora

    CARTAS DE AMÍLCAR CABRAL

    0 de 5

    As cartas que o líder histórico das independências de Cabo Verde  e Guiné Bissau, Amílcar Cabral, escreveu, durante mais de uma década, à sua mulher, foram reunidas  neste livro.

    “Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena: a outra face do homem”, uma publicação da editora da Rosa de Porcelana, reúne 53 cartas escritas por Amílcar Cabral a Maria Helena Vilhena Rodrigues, entre 1946 a 1960.

    São cartas íntimas para aquela que foi, respetivamente no tempo, colega de curso, namorada, esposa e companheira de luta. Cartas de amor e/ou cartas com amor, ao mesmo tempo que, em linhas ou nas entrelinhas, se inferem os tempos históricos e os lugares.

    Organizado pela filha de Amílcar Cabral Iva Cabral, e pelos editores Márcia Souto e Filinto Elísio, o livro integra, além das cartas, fotografias, poemas e notas.

    Conta ainda com textos do ex-presidente da República de Cabo Verde, Pedro Pires; da professora Inocência Mata e do sociólogo Carlos Lopes.

    30.00€
  • Capa do livro Cabo Verde: Gestão das Impossibilidades, de José Maria Neves. Rosa de Porcelana

    CABO VERDE – GESTÃO DAS IMPOSSIBILIDADES

    0 de 5

    José Maria Neves, Primeiro-Ministro de Cabo Verde, lança o livro “Cabo Verde: Gestão das Impossibilidades”, publicado pela Rosa de Porcelana Editora.O livro resulta não só da compilação de textos e de intervenções de José Maria Neves, nos últimos anos, mas também de um conjunto de notas do Autor sobre os principais desafios de Cabo Verde. É, nesse sentido, um olhar sobre a essência da democracia cabo-verdiana e as dinâmicas que a moldam, consubstanciadas na Agenda de Transformação e nas causas que a projetam para novos horizontes e para novas sociabilidades nacionais. No discorrer sobre a atualidade política, económica, social e cultural, sobressaem, nas cerca de 130 páginas do livro, tanto reflexões doutrinárias como considerações de teorizador, feitas para além da espuma dos dias.

    15.00€
  • Capa do livro Sinos de Silêncio, Canções e Haikais, de Corsino Fortes. Rosa de Porcelana Editora

    SINOS DE SILÊNCIO

    0 de 5

    Trata-se de um livro de poemas, que o autor pretende ser uma ruptura com o “cânone” surgido com Pão & Fonema, em 1974, livro esse que “revolucionou” a poesia cabo-verdiana desde então.
    “Sinos de silêncio, canções e haicais” é um projecto que há muito Corsino Fortes vem trabalhando, principalmente numa forma de poesia que descobriu e tem sido em cima dele que tem construindo as suas histórias – o haicai (expressão poética japonesa). Alguns desses poemas já foram, de resto, publicados pelo autor na sua página do Facebook, causando a maior surpresa entre os seus admiradores.

    20.00€
  • Capa do livro Crónicas Desaforadas, de João Branco. Rosa de Porcelana Editora

    CRÓNICAS DESAFORADAS

    0 de 5

    O livro reúne 30 crónicas feitas pelo autor durante cinco anos. Crónica é uma forma de criação que este conhecido encenador elege como tipo de escrita preferida e no qual se especializou.

    “Crónicas Desaforadas” é a expressão de um cidadão mindelense assumido, interventivo, que se deixou adoptar como filho, que não sendo de ventre crioulo, foi, por opção, gerado em útero mindelense, aconchegantemente materno, e que se revela profundo conhecedor desta terra-mãe, adoptada, ‘cidade mistério’, ‘cidade do pecado’, de contrastes e de gentes que, com optimismo latente, respondem às agruras da vida.

    15.00€
  • Capa do livro Dilemas de Poder na História de Cabo Verde, de António Correia e Silva. Rosa de Porcelana Editora

    DILEMAS DE PODER NA HISTÓRIA DE CABO VERDE

    0 de 5

    “Dilemas de Poder na Historia de Cabo Verde” é o mais recente livro do historiador e ministro do Ensino Superior, Ciência e Inovação, António Correia e Silva. Trata-se de um trabalho de investigação que conforme disse o autor, o poder é encarado na obra nas suas múltiplas dimensões como na da celebração da morte e na produção da memória colectiva, nas relações entre os sexos e nas de filiação, também nas relações laborais e internacionais e até no próprio processo político.

    15.00€
  • Capa do livro Sequelas do Brumário, de Arménio Vieira. Rosa de Porcelana Editora

    SEQUELAS DO BRUMÁRIO

    0 de 5

    Em 2009 tornou-se o primeiro escritor cabo-verdiano a obter o Prémio Camões, a mais importante distinção literária na língua portuguesa. “Sou um poeta, apenas isso”

    Natural da Cidade da Praia, cidade presente em boa parte da sua poesia, dono de uma obra inconfundível, cabo-verdiana e ao mesmo tempo universal, Arménio Vieira revelou-se na primeira metade da década de 60 do século XX, juntamente com os também poetas cabo-verdianos Mário Fonseca e Osvaldo Osório.

    15.00€
  • Capa do livro Fantasmas e Fantasias do Brumário, de Arménio Vieira. Rosa de Porcelana Editora

    FANTASMAS E FANTASIAS DO BRUMÁRIO

    0 de 5

    Arménio Vieira, membro na Academia Cabo-verdiana de Letras, em 2009 foi-lhe atribuído o Prémio Camões, o mais importante galardão literário da língua portuguesa.

    Certamente que Descartes sabia o lugar e o nome donde parte o Reno ou qualquer outro rio.

    O que ele nunca soube (nem ele nem ninguém) é a fonte onde nascem as palavras, donde surgem os pensamentos.

    15.00€