• Capa-O-Cheiro-da-Anoneira

    O CHEIRO DA ANONEIRA

    0 de 5

    Quando o mundo que Rafaela havia construído para si e para a filha se desfaz como um castelo de areia, ela não se deixa abater pela derrota e pelo desespero.

    O destino, consultado numa mesa de tarot, diz-lhe que o futuro fica no lugar da infância. Ela abre, então, a porta desse mundo esquecido. Como quem folheia um álbum de fotografias, recorda a velha quinta onde nasceu, a aldeia de casinhas brancas, os barcos coloridos varados no cais.

    Os homens a jogar à bisca debaixo de palmeiras queimadas pelo sol. As mulheres a bordar à sombra da montanha a pique. E aquele mar azul fundo, que em noites de tempestade se atira à vila em ondas brancas de raiva e espuma.

    Perdida, procura no passado a rota que uma carta de tarot lhe aponta como uma seta numa cruz de caminho.

    O cheiro da anoneira é um romance pungente e também humorístico, salpicado aqui e ali de cenas hilariantes, protagonizadas por alguns habitantes da aldeia.

    Rafaela vive na fronteira entre o mundo que conhecemos e um mundo que pressentimos e que, de alguma forma, receamos.

    Espiritismo, vidência e contactos com o paranormal são uma constante nesta obra, que não pretende revelar nada de novo. Apenas tocar uma realidade que, quer queiramos quer não, irá marcar decisivamente este novo milénio.

    12.50€
  • capa-a-mulher-transparente

    A MULHER TRANSPARENTE

    0 de 5

    Clara pensava que estava a casar com um homem de sonho que a resgataria da miséria material e afectiva da sua infância. Mas o que ela pensava vir a ser um casamento feliz foi-se transformando lentamente no pior dos pesadelos, e a sua vida passou a ser marcada pela agressão física e psicológica. Ferida e desesperada, Clara chega a planear o assassínio do marido para se libertar e impedir que o filho cresça naquele ambiente de violência. Os seus planos sofrem uma inesperada reviravolta. Este um romance, escrito numa prosa arrebatadora por uma das melhores autoras portuguesas do romance psicológico, prende da primeira à última página, relatando o drama da violência doméstica.

    11.00€
  • Capa do livro Tu És a Única Pessoa, de Cristina Torrão. Oxalá Editora

    TU ÉS A ÚNICA PESSOA

    0 de 5

    Helena Tavares envolve-se numa relação amorosa com Leonel Moreira, membro das Brigadas Revolucionárias, no efervescente meio estudantil de 1973/74, acabando ambos presos em Caxias, nas vésperas da revolução. São libertados pouco depois num mundo em convulsão, onde parece não haver lugar para o seu amor. Envolvido numa carreira política, que o levará ao Parlamento Europeu, Leonel esquece os seus ideais revolucionários, acomodando-se a uma vida bem remunerada. Helena vê-se empurrada para um casamento desastroso. Entre um marido vigarista e negligente, um pai que finge que ela morreu, uma mãe incapaz de enfrentar adversidades e um irmão que se habituou a ignorar um membro familiar incómodo, Helena perde o controlo sobre a sua vida. O suicídio da filha atira-a para uma clínica psiquiátrica, em estado vegetativo, mas proporciona igualmente um reencontro com Leonel, vinte anos depois, tornando-se ele na única pessoa que poderá ajudá-la a regressar ao mundo.

    11.90€
  • Capa do livro Caminhada - Um Alemão em Portugal, de Eberhard Fedtke. Oxalá Editora

    CAMINHADA – UM ALEMÃO EM PORTUGAL

    0 de 5

    Com um envolvente estilo narrativo, este autor alemão com uma ligação a Portugal de mais de 40 anos por via de laços familiares, retrata de forma admirável aquela que é hoje a sua segunda terra.

    Este livro é uma viagem às especificidades geográficas, culturais e sociais de Portugal, no qual o autor desvenda com um olhar atento e com sensibilidade literária algumas das características dos comportamentos dos habitantes do seu país adoptivo. Eberhard Fedtke estudou Direito, Administração de Empresas e Filologia. É doutorado em Direito e Economia e Ciências Sociais e mestre em Direito Empresarial. Desenvolve actividade profissional na área de Direito e Economia, especialmente no domínio do Trabalho. A escrita foi sempre uma das suas áreas de interesse, tendo cerca de 120 publicações de carácter jornalístico ou ficções em revistas. Tem vinte livros publicados na área de Direito e Economia, cinco deles em co-autoria. Casou em 1972 com uma portuguesa, e tem quatro filhos luso-alemães e nove netos.

    Desde 2014 tem residência permanente em Portugal, na Encosta da Caniçada.

    12.90€
  • Capa do livro A Vida Numa Mala - Armando Rodrigues de Sá e Outras Histórias, de Cristina Dangerfield-Vogt e Svenja Länder. Oxalá Editora

    A VIDA NUMA MALA

    0 de 5

    Um desconhecido em Portugal, Armando Rodrigues de Sá é um símbolo da imigração na Alemanha.

    A questão das Migrações, definidas como movimentos migratórios de pessoas entre vários países e regiões à procura de melhores condições de vida, ou para fugir à repressão e à guerra, é uma constante da História da Humanidade.

    Em A VIDA NUMA MALA, Armando Rodrigues de Sá e Outras Histórias, as aventuras de migração dos vários viajantes, vindos do Oriente e do Ocidente e que se encontram no porto de abrigo ‐ Alemanha, são contadas pelos próprios no palco que as autoras criaram para este fim no projecto.

    Paralelamente, Cristina Dangerfield‐Vogt e Svenja Länder descrevem e analisam as circunstâncias históricas, sociais, políticas e culturais que enformaram estas grandes vagas de emigração portuguesa, e também turca, nos anos 60, na direcção do centro da Europa, debruçando-­‐se, por fim, sobre os movimentos migratórios actuais.

    Um desconhecido em Portugal, Armando Rodrigues de Sá é um símbolo da imigração na Alemanha que as autoras quiseram dar a conhecer a um público mais vasto. É deste símbolo criado pelos alemães que a jornalista e a historiadora partiram à procura dos testemunhos da família de Sá e de outros viajantes fazendo a ponte para os refugiados hoje.

    Last but not least, o Leitmotiv deste livro, em dois tempos, e a duas mãos, é a viagem de comboio efectuada por Armando Rodrigues de Sá, de Lisboa para Colónia, em 1964, viagem esta que a historiadora, Svenja Länder, e António de Sá, neto de Armando, voltaram a fazer em 2014. As fotografias que ilustram A VIDA NUMA MALA conferem ao projecto uma visualidade especialmente marcante e impossível de ignorar, ficando bem clara a mensagem que as autoras quiseram passar, «que o Mundo é de todos e que há lugar para todos» citado do comentário de José António Cerejo, Grande Repórter do Público, sobre o projecto de livro A VIDA NUMA MALA.

    11.90€
  • Capa do livro Domadora de Camaleões - Livro de Crónicas, de Helena Ferro de Gouveia. Oxalá Editora

    DOMADORA DE CAMALEÕES

    0 de 5

    Este livro é um caso de amor pela viagem. Se tivesse de ser definido numa palavra seria: Wanderlust, que exprime o desejo irresistível de viajar. Na vida há poucas coisas que nos despertem Lust. As viagens são uma delas. A jornalista Helena Ferro de Gouveia, nómada irrequieta e atenta, viajante de geografias desconcertantes, conduz-nos a territórios geograficamente a sul e a territórios de afecto. Neste livro encontrará o leitor uma vasta e diversificada oferta: crónicas de viagens, reflexões, um olhar sobre Portugal e a Alemanha, viagens imaginárias embrulhadas com o papel de seda reservado aos dias felizes, poesia. Um livro para tem a coragem de ser sensível e viver por extenso.

    Sobre Autora: Helena Ferro de Gouveia
    Helena Ferro de Gouveia, nasceu em Bissau e cresceu em Lisboa. Com o Tejo como horizonte diário. Depois da Faculdade partiu sem amarras. De Malaca ao
    Cairo, de Díli a Maputo, de Bissau a Jerusalém. Bona é uma espécie de ancoradouro. Farol seguro.
    É licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa e pós-graduada em Direito da Comunicação pela Faculdade de Direito de Coimbra. Deu os primeiros passos no jornalismo em 1996 e desde então foi jornalista no Público e em diversos meios de comunicação social internacionais.
    Em paralelo à sua actividade jornalística é formadora e consultora da DW Akademie. Foi docente em cursos de jornalismo para a paz, trauma de guerra, jornalismo político, jornalismo em regiões de conflito e jornalismo económico em países como o Sudão do Sul, a Namíbia, Guiné-Bissau, Brasil, Moçambique entre outros.

    12.50€