• Capa-Noitadas-Depres-Bubas

    NOITADAS DEPRÊS & BUBAS

    0 de 5

    Bd’s autobiográficas de Marcos Farrajota, publicadas entre 1995 e 1997, nos números (esgotados) 6 ao 12 doMesinha de Cabeceira, antecedentes ao É sempre demais… (Lx Comics #2, Bedeteca de Lisboa; 1998), apresentam o grosso da exploração da autobiografia no seu trabalho. Género esse pouco habitual em Portugal, mesmo depois do “”boom”” e da implosão da bd portuguesa, ao qual o autor acabou por subverter e abandonar gradualmente.
    E como na vida, há de tudo nestas bd’s: sexo juvenil, amores de recorte Primavera/Verão, uso de drogas leves, vida suburbana em Cascais, relações sociais (envolvento desde vários autores de bd a músicos como os Primitive Reason), deambulações urbano-filosóficas de quem andava à toa, rapinanços de conteúdos alheios (Mão Morta, Julie Doucet, Einstürzende Neubauten, Madman) e participações alheias de amigos – como na bd Die Fliege II com textos de Miguel Caldas.

    15.00€
  • Capa-Musclechoo-Trump-Card

    MUSCLECHOO: TRUMP CARD

    0 de 5

    Musclechoo is drawn with the total abandonment of drawings made on the back of scholl notebooks, during class.

    8.00€
  • megg_mogg_mocho

    MEGG, MOGG & MOCHO

    0 de 5

    Esta série trouxe fama a Simon à escala global ao ponto de até ser publicado em Portugal, um selecção de histórias. Há quem diga que é uma mistura de Todd Solondz, Peter Bagge e Os Simpsons. Apesar da predominância humorística da série, ela é compensada várias vezes com estados emocionais do autor, admitindo usá-la como terapia pessoal. O trabalho de Hanselmann explora a toxicodependência, depressão e o ansiedade quotidiana com precisão e subtileza… É tão pueril como trágico, ordinário como carinhoso. E pode ser, como na vida, muito divertido – The Guardian uma profunda inquietante, hilariante visão do ennui milenar- Paste Estas são actualmente as melhores BDS a serem feitas no mundo, eu acredito mesmo nisso. – James Kochalka (Magic Boy)

    12.00€
  • espero_chegar_breve

    ESPERO CHEGAR EM BREVE

    0 de 5

    Desde 2014 que este autor regressou à BD e com toda a força: primeiro com Erzsébet sobre a infame condessa húngara que assassinou centenas de jovens na demanda da eterna juventude, e em 2015 com Nadja – Ninfeta Virgem do Inferno, verdadeiro deboche gráfico entre o Hair Metal de L.A. dos 80 e a distopia do RanXerox. Este ano apresenta um belo trabalho sobre um homem que recupera consciência do seu sono criogénico a bordo de uma nave especial. A Inteligência Artificial não consegue reparar o problema e Kemmings vê-se obrigado a manter-se acordado mas fisicamente paralisado durante dez anos da travessia sideral. Como a maior parte da obra de PKD, este conto questiona o que é ser humano e o que é a realidade.

    10.00€
  • o_meu_nelson_mandela

    O MEU NELSON MANDELA E OUTROS CONTOS

    0 de 5

    Papá em África é o título que o trás ao Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora e que se mostrou controverso mas não impediu de ter sido premiado como Melhor Álbum Estrangeiro nos Prémios Nacionais de BD 2015. O álbum não foi colocado nos escaparates de algumas livrarias tornando impossível a sua reimpressão. Mesmo assim rapidamente esgotou e tornou-se num objecto de culto. As BDs de Kannemeyer suscitam discussão sobre os traumas e a má-consciência do pós-colonialismo. Aproveitando a visita do autor ao 27º FIBDA, lança-se O Meu Nelson Mandela e Outros Contos, uma nova compilação de histórias e desenhos, desta vez mais autobiográficas e ensaísticas, afastadas do imaginário do não menos polémico Tintin no Congo. Apesar de serem trabalhos mais intimistas não significa que sejam menos virulentos…

    10.00€
  • simplesmente_samuel

    SIMPLESMENTE SAMUEL

    0 de 5

    Simplesmente Samuel é uma narrativa visual silenciosa, uma homenagem à vida e à existência humana.
    Samuel é uma figura fantasmagórica que caminha por um mundo colorido praticamente invisível para o que está ao seu redor, como um verdadeiro herói da nossa vida quotidiana e mundana. As vinhetas sem palavras lidam com o individualismo e o conceito de liberdade. O universo rico em cores e formas funciona como uma parte da narrativa ecléctica que continua a surpreender o leitor página a página. Simplesmente Samuel é um romance gráfico peculiar, que induz o leitor a ver e experimentar a arte impressa a um outro nível.

    20.00€
  • caminhando_samuel_2a_edicao

    CAMINHANDO COM SAMUEL – 2ªEDIÇÃO

    0 de 5

    Obra seleccionada para a Bedeteca Ideal e 1001 Comic you should read before you die. um roadbook cosmogónico onde o olhar da descoberta primordial se mantém até ao fim. Mas onde as cosmogonias (entre elas o Génesis) encenam a criação num tempo recuado e definitivamente perdido, Samuel parece assumir uma condição atemporal, um estado de permanência que o faz atravessar eras, estados de alma e espaços com o mesmo deslumbramento e a mesma disponibilidade para o mundo que trazia no início, quando surgiu por entre a vegetação.

    20.00€
  • capa-acedia

    ACEDIA

    0 de 5

    Um homem, Daniel, sofre de distorções na sua percepção visual devido a um corpo estranho alojado algures na cavidade ocular. Apesar da insistência das notificações hospitalares para dar início aos seus tratamentos, ele vê-se confrontado com a hipótese das suas alucinações estarem a proporcionar-lhe uma fuga para uma nova percepção da realidade. Daniel terá que optar entre encarar a sua doença como um sinal evidente da sua mortalidade ou como uma intensificação da vida.

    10.00€
  • Capa do livro Revisão: Bandas Desenhadas dos Anos 70. Editora Chili com Carne

    REVISÃO – BANDAS DESENHADAS DOS ANOS 70

    0 de 5

    2016 marca 40 anos do fim da icónica Visão, uma revista improvável num país com graves problemas económicos mas que se apresentava nas bancas com ar luxuoso, cores ácidas e brilhantes, temáticas políticas e libertárias.
    Quisemos comemorar esta publicação que fez uma ruptura com a BD tradicional portuguesa mas sobretudo recuperar um conjunto de BDs esquecidas dos anos 70 cheias de frescura, rebeldia e prazer criativo, vindas de outras experiências editoriais como Evaristo, O Estripador ou &etc.
    Contem com António Pilar, Bruno Scoriels, Carlos Barradas, Carlos “Zíngaro”, Fernando Relvas, Gracinda, Isabel Lobinho, J.L. Duarte, João Manuel Barroso, Nuno Amorim, Paralta & Zé Baganha, Pedro Massano, Pedro Potier, Tito, Zé Paulo (1937-2008), Zepe e ainda António Pinho, Carlos Soares, Jorge Lima Barreto (1949-2011) e Mário-Henrique Leiria (1923-1980) para muita BD psicadélica, urbana, cósmica, mórbida, erótica, pessimista, ácida, crítica, tão ying & yang tal como foi a década de 70 neste país periférico.

    20.00€
  • Capa do livro Cadernos de Fausto, de Rafael Dionísio. Chili com Carne

    CADERNOS DE FAUSTO

    0 de 5

    Trata-se de um livro que orbita recursivamente em torno dessa personagem tentando defini-la de uma maneira obsessiva. São pequenos textos que funcionam simultaneamente ou como capítulos de uma biografia sem factos ou como capítulos de um romance que não existe. Assim temos que o livro é de um género híbrido, algures entre a ficção e a poesia, num lugar não determinado. Uma das características do livro é ter algum grau de experimentação sintáctica e semântica. É um livro, literariamente, encorpado, denso e profundo.

    15.00€
  • Capa do livro O Fantasma de Creta e Outros Contos, de Rafael Dionísio. Chili com Carne

    O FANTASMA DE CRETA E OUTROS CONTOS

    0 de 5

    O título é auto-explicativo: são quinze contos que espelham as contradições e dificuldades das relações humanas. Psicologias complexas, relações de poder, eventualmente violentas e sexualidades mais ou menos desviantes. Com uma concisão admirável e uma segura mão narrativa, estes contos são um prazer e, por vezes, contém pequenas e grandes surpresas para o leitor.

    13.00€
  • Capa do livro Anarco-Queer? Queercore!, de Rui Eduardo Paes. Chili com Carne

    ANARCO-QUEER? QUEERCORE!

    0 de 5

    O queercore foi-se esvaziando nos últimos anos, apesar da existência de novas bolsas de liberdade, apesar dos sinais de que a hecatombe do capitalismo pode mesmo acontecer e apesar do nomadismo dos sexos. Muito de bom foi produzido no impulso de enfiar os dedos em lugares quentes e húmidos, mas não será pouco? O hardcore queer ainda resiste, mas resiste porque está na defensiva, porque está fraco. É como se tivesse sido geneticamente programado para falhar. Mas quando ouvimos um estridente feedback dos Apostles e dos Nervous Genre tudo, absolutamente tudo, parece possível…

    10.00€
  • Capa do livro "A" Maiúsculo com Círculo à Volta, de Rui Eduardo Paes. Chili com Carne

    “A” MAIÚSCULO COM CÍRCULO À VOLTA

    0 de 5
    10.00€
  • Capa do livro Subsídios - Matéria Mimética Monstruosa Nutrida num Nível Redentor Regressor Reagente (ao) Geométrico. Chili com Carne

    SUBSÍDIOS

    0 de 5
    15.00€
  • Capa do livro VSADH. Chili com Carne

    VSADH

    0 de 5
    18.00€
  • Capa do livro Loverboy na Feira das Vanessas. Chili com Carne

    LOVERBOY NA FEIRA DAS VANESSAS

    0 de 5
    5.00€
  • Capa do livro Erzsébet, de Nunsky. Chili com Carne

    ERZSÉBET

    0 de 5
    15.00€
  • Capa do livro Quadradinhos - Looks on Portuguese Comics. Chili com Carne

    QUADRADINHOS

    0 de 5
    15.00€
  • Capa do livro Malus, de Christopher Webster. Chili com Carne

    MALUS

    0 de 5
    12.00€
  • Capa do livro A Segunda Vida de Sjon de Nha Bia, de Nuno Rebocho. Chili com Carne

    A SEGUNDA VIDA DE DJON DE NHA BIA

    0 de 5
    13.00€