Destaques

Novidades

  • CORTO MALTESE – SOB O SIGNO DE CAPRICÓRNIO

    0 de 5

    No início do seu périplo tropical, em plena I Guerra Mundial, Corto Maltese — «o último representante de uma dinastia completamente extinta que acreditava na generosidade e no heroísmo» — faz amizade com o jovem inglês Tristran Bantam, meio-irmão de Morgana Dias dos Santos, praticante de macumba e pupila da visionária Boca Dourada, a quem visita na Baía acompanhado por Steiner, antigo professor da universidade Praga e futuro companheiro de viagens, na pista de tesouros misteriosos, cumprindo o seu destino de cavalheiro da fortuna.

    26.95€
  • OS LIBERTISTAS

    0 de 5

    Lisboa, outubro de 2018 – “Não, não sei ao certo
    se foi meu pai quem matou o presidente” . A
    primeira frase de Meu Velho Guerrilheiro é um
    aviso de que convém abandonar certezas. Melhor ficção de 2017 no prêmio da
    Academia Pernambucana de Letras, o quarto romance de Álvaro Filho, semifinalista do
    Oceanos 2018 e vencedor do FNAC Portugal de Escrita 2018, navega entre o real e o
    ficcional, a política e a autobiografia.
    Meu Velho Guerrilheiro foi publicado pela Editora Jaguatirica, no Brasil, e em outubro,
    será lançado em Portugal, onde vive o autor, durante o Festival Literário Internacional –
    Folio, em Óbidos.
    A narrativa de Meu Velho Guerrilheiro lança mão da afetividade para revisitar um golpe
    político, um plano de assassinato, as relações familiares entre memórias, às vezes,
    “incertas”. Nas páginas, o narrador é um escritor que vê o autoexílio no estrangeiro ter
    fim ao ser convocado, a pedido da mãe, de volta à cidade da infância. Na pacata e
    litorânea Olinda, a “missão” dele será: demover o pai da ideia de matar o presidente do
    país, que assumiu o poder após um golpe político.
    Álvaro Filho conta que o velho guerrilheiro do título é parte o pai dele, parte ficção. “Em
    meados de 2014, meu pai falava que havia um risco de golpe no Brasil, o que à época
    parecia um desvario, o que levou, inclusive, a família a se preocupar” , explica o autor.
    A situação política do país depois comprovou que talvez o delírio fosse uma espécie de
    “clarividência” do pai. “A partir deste pseudo embaralho da memória, desenvolve-se uma
    jornada de reflexão sobre a perda de memória dos entes queridos, das pessoas e das
    nações” , completa.

    14.00€
  • BOUNCER – O OURO MALDITO

    0 de 5

    Um ano após o lançamento em Portugal do díptico, “To Hell | And Back” (tomo 8 e 9), editamos agora um novo díptico “Bouncer – O Ouro Maldito | O Espinhaço do Dragão” (tomo 10 e 11) assinado por François Boucq.

    Bouncer pensava em dias tranquilos depois de se livrar do infame João Feio. Mas ele deve saber que a lei do Ocidente é sempre implacável… Na cidade de Barro, o relojoeiro foi atacado e a sua filha, Gretel sofreu atrozes mutilações. Como poderia uma cara sem histórias e um pouco inocente ter sido submetido a tais atrocidades? Perseguindo os assassinos, descobre que sua rota se une à de um tesouro amaldiçoado no coração do deserto de Sonora, no México. Um lugar árido com lendas escuras, tão terrível que até os índios não ousam se aventurar ali. Bouncer pensou que já conhecia o inferno. Mas ele descobre que o último tem múltiplas faces.

    26.00€
  • CRIME NO EXPRESSO DO ORIENTE

    0 de 5

    “Crime no Expresso do Oriente” é, com “As Dez Figuras Negras”, um dos romances de Agatha Christie que conheceu maior sucesso, tendo sido traduzido em mais de trinta línguas.

    Inverno de 1934. Pouco depois da meia-noite, um banco de neve obriga o Expresso do Oriente a parar. O luxuoso comboio está surpreendentemente cheio para a época do ano, mas, ao amanhecer, conta-se um passageiro a menos… Um magnata americano morre com uma dúzia de punhaladas, a porta do seu compartimento está trancada por dentro. Hércule Poirot conduz o inquérito no comboio isolado do mundo…

    16.00€
  • ZAHNA

    0 de 5

    Atormentada por uma temível maldição, que se traduz numa chama no topo da cabeça – intensificada sempre que fica colérica -, banida da sua aldeia natal e forçada a um exílio que não desejou, a guerreira Zahna não tem a vida facilitada. Com uma indisfarçável sede de vingança e enquanto se questiona sobre tudo o que de inesperado lhe aconteceu, inicia uma busca por alguém capaz de lhe devolver a tranquilidade, libertando-a daquele fogo danado…

    Da mesma autora, na Polvo: “Deixa-me entrar”.

    15.99€
  • ANGOLA JANGA

    0 de 5

    Angola Janga, “pequena Angola” ou, como dizem os livros de história, Palmares. Por mais de cem anos foi como que um reino africano dentro da América do Sul. E, apesar do nome, não era tão pequeno como isso: Macaco, a capital, tinha uma população equivalente à das maiores cidades brasileiras da época. Formada no fim do século XVI, em Pernambuco, a partir dos mocambos criados por fugitivos da escravidão, Angola Janga cresceu, organizou-se e resistiu aos ataques dos militares holandeses e das forças coloniais portuguesas. Tornou-se o grande alvo do ódio dos colonizadores e um símbolo de liberdade para os escravizados. O seu maior líder, Zumbi, transformou-se numa lenda e inspirou a criação do Dia da Consciência Negra.

    Angola Janga e Marcelo D’Salete arrebataram no Brasil, em 2018, os prestigiados troféus HQMix, nas categorias “Edição Especial Nacional”, “Desenhista Nacional” e “Roteirista Nacional” e ainda o prémio Grampo. O livro foi igualmente nomeado para o mais importante prémio literário brasileiro, o Jabuti, na categoria “Histórias em Quadrinhos” (a atribuir em Novembro de 2018). Com 432 páginas é, provavelmente, o maior romance em banda desenhada já publicado por um autor brasileiro.

    Do mesmo autor, na Polvo: “Cumbe”. Obra integrante do Plano Nacional de Leitura.

    17.40€
  • OS MELHORES CONTOS PORTUGUESES DE OITOCENTOS

    0 de 5

    Soberbos. Simplesmente encantadores. De leitura obrigatória para os que queiram ser seduzidos pela arte de bem escrever.
    Se o Padre António Vieira, no dizer de Fernando Pessoa, foi o Imperador da língua portuguesa, os autores que nesta obra se apresentam pertencem ao selecto grupo dos príncipes da arte de bem escrever em português. Com eles, saboreamos o que de melhor a nossa língua tem para nos oferecer.
    Os contos que nesta obra o leitor vai encontrar não serão inequivocamente os melhores, mas fazem parte, sem dúvida, do panteão onde os melhores se alinham. Certo é que todos causam aquele deslumbramento que somente as penas notáveis conseguem inspirar.
    ► ANTOLOGIA INÉDITA
    ► 15 CONTOS DE 7 AUTORES
    ► PREFÁCIO DE ANNABELA RITA
    ► SELECÇÃO, PREÂMBULO E NOTAS DE FRANCISCO ABREU

    15.90€
  • PEQUENOS PROBLEMAS

    0 de 5

    Diz-nos a física quântica que o tempo não existe, pelo menos do modo cronológico, arrumado e em sucessão, o modo como o conseguimos ver e sentir. E diz-nos que tempo e espaço se relacionam de tal modo que serão, juntos, uma categoria única de descrição do que nos rodeia, uma ferramenta funcional para obtermos respostas tão precisas quanto o universo permite sobre si próprio. A física quântica não é fácil de perceber para a maioria da humanidade e é frequente que outras linguagens nos deixem intuir respostas que, não sendo mais claras, são mais facilmente apreendidas pela intuição. As histórias curtas de Francisco Sousa Lobo não falam de física quântica, cultivando as perguntas com muito mais dedicação do que qualquer resposta, mas talvez por isso mesmo sejam uma espécie de mapa possível para certas declinações do mundo, não as que descrevem o cosmos, mas as que envolvem o indivíduo, esse lugar estranho e inóspito onde o espaço-tempo tantas vezes ameaça desintegrar-se.

    (…) O desconforto que muitas das histórias reunidas neste volume criam no leitor não nasce tanto do desamparo encenado em cada prancha, ou da possibilidade de alguns ou muitos reconhecimentos emocionais, mas talvez do contraste provocado pela procura de uma racionalidade, um gesto narrativo e visual que transforme a matéria das histórias nas histórias em si. É esse o esforço que se descobre em cada história, e é esse o percurso que estrutura esta primeira narrativa do livro, de certo modo, uma antecipação certeira das que se lhe seguem. (…) Não é preciso mergulhar na física quântica quando temos à mão a nossa própria cabeça, o nosso próprio corpo e o lastro imenso de memórias e vivências que confirmam, a cada momento, que estamos sempre em presença efectiva de muitos momentos e que aquilo a que chamamos passado talvez seja, por inconveniente que soe, o nosso presente constante.

    13.00€
  • O LEGADO DE JÚPITER VOL.2 : REVOLTA

    0 de 5

    A conclusão da primeira saga da série JÚPITER de Mark Millar chega finalmente: um dos maiores sucessos críticos e comerciais de Mark Millar, uma notável saga com arte do grande Frank Quitely, cujo primeiro volume foi nomeado para os Galardões BD do Comic Con Portugal!

    Mark Millar opera neste livro uma desconstrução fenomenal das histórias de super-heróis, com uma simples pergunta: o que acontece num mundo em que existem super-poderes, quando a primeira geração de super-heróis, os idealistas, os que lutaram pela democracia, pela sua nação, os que acreditaram que com grandes poderes vem grande responsabilidade, cede o lugar aos descendentes, os cínicos, mimados e privilegiados, que se habituaram a ter tudo?

    Chloe e Brandon são filhos dos maiores heróis e vilões deste mundo. Mas será que estão à altura do seu legado? Os super-heróis tomaram as rédeas do poder no mundo, criando uma distopia autoritária… mas Chloe e Hutch, e o seu brilhante e superpoderoso filho, Jason, decidiram sair da clandestinidade e levar a luta até aos seus inimigos. Mas será que a equipa de supervilões que estão a juntar para lutar contra uma geração de super-heróis transformados em ditadores está à altura da tarefa?

    Os super-heróis conquistaram este mundo… poderão os supervilões salvá-lo?

    Mark Millar é o escritor de séries de comics aclamadas como Kick-Ass, Kingsman: Serviço Secreto, O Legado de Júpiter e O Círculo de Júpiter, Nemesis, etc…. Muitos destes livros já foram adaptados ao grande ecrã, e muitos outros estão em adaptação para o cinema, e depois da recente aquisição da Millarworld pela Netflix, para a televisão. O seu trabalho para a DC inclui o aclamado Superman: Red Son (em português Super-Homem: Herança Vermelha), e para a Marvel Comics criou The Ultimates (Os Supremos), Wolverine: Old Man Logan (Velho Logan) e Civil War (Guerra Civil) – a série de super-heróis mais vendida em quase duas décadas.

    Frank Quitely é um artista de comics escocês, conhecido pelas suas frequentes colaborações com Grant Morrison em títulos como Novos X-Men, WE3, All-Star Superman e Batman and Robin, bem como pelo seu trabalho com Mark Millar em The Authority e O Legado de Júpiter. A sua carreira internacional começou na DC Comics, com séries para a Vertigo, incluindo Flex Mentallo, bem como séries regulares para o universo DC e para a Wildstorm, incluindo Batman, JLA e The Authority. Depois de ter ilustrado Os Novos X-Men durante dois anos para a Marvel, voltou para a Vertigo e produziu uma curta para uma antologia de Sandman, bem como uma série de que foi co-criador, WE3. Seguiram-se títulos para a DC como All-Star Superman, Batman and Robin, etc…

    Para o universo JÚPITER estão programadas três sagas: O Legado de Júpiter, já concluída em dois volumes. O Círculo de Júpiter, em dois volumes também, que a G. Floy irá editar durante o ano de 2019, e que examina os anos anteriores ao período de O Legado, e a história por trás dos vários super-heróis. E Requiem para Júpiter, série ainda não lançada na versão original.

    14.00€
  • WOLVERINE ARMA X VOL. 1: OS HOMENS DE ADAMANTIUM

    0 de 5

    Há muitos anos, Wolverine foi submetido a uma série de experiências pelo Programa Arma X, uma misteriosa organização militar do governo. Com o objectivo de criar a arma viva perfeita, os cientistas cobriram o seu esqueleto e as suas garras com adamantium, um metal inquebrável que é o complemento perfeito para o factor de cura mutante que ele possui. Wolverine acreditava que tudo isso estava no passado, e que ele podia esquecer esses tempos…

     Mas agora, Wolverine vai descobrir que as experiências que foram aperfeiçoadas no seu corpo estão de novo a ser feitas, desta vez por uma empresa privada, para criar um exército mercenário perfeito e imparável. Conseguirá ele enfrentar um grupo de soldados implacáveis e psicopáticos – e pior, soldados que possuem os mesmos poderes e habilidades que ele? Preparem-se para uma das mais tremendas e furiosas batalhas de sempre!

    Jason Aaron é um dos mais aclamados escritores de comics actuais (Thor, Scalped, Southern Bastards), e Wolverine Arma X foi a primeira série em continuação que escreveu para a Marvel, e, juntamente com Scalped, uma das que lhe granjeou maior sucesso. Foi também nesta história que trabalhou pela primeira vez com Ron Garney, um famoso desenhador de comics de super-heróis, uma colaboração que foram continuando ao longo dos anos seguintes, pelo gosto que têm em trabalhar juntos. Isso ocorreu, p.ex. numa parte da primeira fase de Thor que Aaron escreveu, e mais tarde numa série independente creator-owned que a G. Floy já editou em Portugal, Men of Wrath/Má Raça. Ron Garney é um dos mais míticos artistas de comics, com uma imensa obra na Marvel, de que se destaca uma fase de grande sucesso do Capitão América.

    Jason Aaron pensou esta série “Arma X” como uma espécie de Marvel MAX, uma série de histórias talvez um pouco mais violentas do que o costume, e quase completamente separadas do universo Marvel e da sua cronologia regular (mesmo que ocasionalmente apareçam outra personagens). É uma série que é portanto ideal para leitores e fãs dos super-heróis da Marvel mais causais. A série durou 16 números, que a G. Floy irá editar em 3 volumes; os próximos dois volumes sairão ao longo de 2019: Demente da Mente (com arte de Yannick Paquette) e O Amanhã Morre Hoje (com arte de novo por Ron Garney, com uma aparição especial de Esad Ribic).

    13.00€
  • IMORTAL PUNHO DE FERRO VOL.3

    0 de 5

    DESCUBRAM OS PUNHOS DE FERRO QUE VIVERAM ANTES DE DANNY RAND! Houve sessenta e seis homens e mulheres que atingiram o estatuto de Punho de Ferro ao longo das eras – sessenta e seis homens e mulheres de grande coragem e habilidade, com enorme capacidade de sacrifício, que se interpuseram entre a humanidade e as forças tremendas do Mal. Neste volume, encontrarão quatro contos retirados do grande Livro do Punho de Ferro, as histórias de quatro de entre eles – Wu Ao-Shi, a Rainha Pirata da Baía de Pinghai; Bei Bang-Wen, o feroz Punho de Ferro do ano 1860; Orson Randall, o Punho de Ferro da Era Dourada dos Pulps; e Danny Rand, o Punho de Ferro de hoje. Encontrarão também a conclusão da saga iniciada nos volumes anteriores, e, como bónus… A Origem de Danny Rand, o comic que lançou a personagem, pelas mãos de Roy Thomas, Len Wein, Gil Kane e Larry Hama! Dois dos maiores argumentistas da actualidade, Matt Fraction (Hawkeye, Criminosos do Sexo) e Ed Brubaker (Capitão América: Soldado do Inverno, Fatale, Velvet) juntam forças com uma mão-cheia de artistas, entre os quais David Aja, Leandro Fernandez, Nick Dragotta, Travel Foreman, entre outros, para nos contar as histórias de Punhos de Ferro dos tempos passados, uma saga de artes marciais como nenhuma outra, que se estende ao longo de mil anos! As novas aventuras do herói que inspirou a série de TV da NETFLIX!

    15.00€
  • NICOLAS FLAMEL: O VENCEDOR DA PEDRA PELO FOGO

    0 de 5

    Quem foi Nicolas Flamel, uma das figuras mais emblemáticas de Paris nos séculos XIV

    e XV e fonte de mil e uma fábulas, como ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’ ou ‘O
    Código da Vinci’?
    Numa autêntica caça ao homem, e munido de documentos genuínos, Walter Grosse
    empreendeu uma investigação quase policial, propondo-se desvendar um enigma que
    perdura há mais de seis séculos e que tem iludido inúmeros historiadores.

    Para Richard Khaitzine, o nome “Nicolas Flamel” parece um pseudónimo e, de facto,
    seguindo a demonstração sui generis do ilustre Fulcanelli, este seria, efectivamente,
    um nomen mysticum.
    Assim que se apercebeu deste facto, Walter Grosse observou que esta seria a chavemestra
    de toda a engrenagem capaz de destrinçar o mistério do Nicolas Flamel
    livreiro, uma das figuras mais emblemáticas de Paris nos séculos XIV e XV e fonte de
    mil e uma fábulas, como ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’ ou ‘O Código da Vinci’.
    Numa autêntica caça ao homem, e munido de documentos genuínos, empreendeu
    então uma investigação quase policial, propondo-se desvendar um enigma que perdura
    há mais de seis séculos e que tem iludido inúmeros historiadores.

    14.90€
  • UM FUTURO A CONSTRUIR

    0 de 5

    Esta edição não seria diferenciada da maior parte dos livros políticos, ou melhor, sobre a política, se o seu perfil autoral não fosse duplo e se os autores não fossem Francisco Pinto Balsemão e José Maria Neves, personalidades de matrizes ideológicas diferentes e de experiências políticas diversas, mas que travam um diálogo inteligente sobre o ideário do civismo democrático que, de certa forma, converge-os.
    Francisco Pinto Balsemão e José Maria Neves foram chefes do governo de Portugal e de Cabo Verde, respetivamente. Balsemão foi dirigente do PSD, de matriz ideológica liberal e social democrática, e Neves dirigente do PAICV, de matriz ideológica da esquerda democrática, partidos do arco da governação dos respetivos países. O primeiro, para além da política, tem forte atividade empresarial na área da comunicação social e o segundo dedica-se hoje ao ensino e termina um doutoramento em Políticas Públicas.
    O livro é sobre duas personalidades que se encontram para conversar, antes de mais, sobre a premissa oblíqua do “nosso ser político e nosso ser na política”, diálogo que se extravasa por temas plurais e diversos, uns de interesse histórico, outros de atualidade política, como o do surgimento das sociedades em rede, através das redes sociais, que são novas formas de poder e de governança e de praticar a democracia, e as novas formas de legitimação e de representação políticas.
    Esta “conversa a dois”, transcrita nesta edição, resulta em verdade do painel “Democracia e Governança: Um Futuro a Construir”, no quadro da IV Conferência da Fundação José Maria Neves para a Governança, realizada na cidade da Praia, em 2017. Diálogo que provocou muita expectativa na medida em que protagonizavam dois exegetas de questões fulcrais como a crise dos partidos políticos tradicionais, a ascensão do populismo, o desafio da imprensa perante as novas dinâmicas políticas, as políticas públicas para o fortalecimento das liberdades, da igualdade e de um desenvolvimento económico e social sustentáveis na atual conjuntura internacional e a própria questão da geopolítica, assim como aspetos da vida política tanto de Portugal como de Cabo Verde. Fazem-no em primeira pessoa e colocam-se como sujeitos de muitos dos aspetos contemporâneos que abordam.
    Esta edição não seria diferenciada da maior parte dos livros políticos, ou melhor, sobre a política, se o seu perfil autoral não fosse duplo e se os autores não fossem Francisco Pinto Balsemão e José Maria Neves, personalidades de matrizes ideológicas diferentes e de experiências políticas diversas, mas que travam um diálogo inteligente sobre o ideário do civismo democrático que, de certa forma, converge-os.
    Francisco Pinto Balsemão e José Maria Neves foram chefes do governo de Portugal e de Cabo Verde, respetivamente. Balsemão foi dirigente do PSD, de matriz ideológica liberal e social democrática, e Neves dirigente do PAICV, de matriz ideológica da esquerda democrática, partidos do arco da governação dos respetivos países. O primeiro, para além da política, tem forte atividade empresarial na área da comunicação social e o segundo dedica-se hoje ao ensino e termina um doutoramento em Políticas Públicas.
    O livro é sobre duas personalidades que se encontram para conversar, antes de mais, sobre a premissa oblíqua do “nosso ser político e nosso ser na política”, diálogo que se extravasa por temas plurais e diversos, uns de interesse histórico, outros de atualidade política, como o do surgimento das sociedades em rede, através das redes sociais, que são novas formas de poder e de governança e de praticar a democracia, e as novas formas de legitimação e de representação políticas.
    Esta “conversa a dois”, transcrita nesta edição, resulta em verdade do painel “Democracia e Governança: Um Futuro a Construir”, no quadro da IV Conferência da Fundação José Maria Neves para a Governança, realizada na cidade da Praia, em 2017. Diálogo que provocou muita expectativa na medida em que protagonizavam dois exegetas de questões fulcrais como a crise dos partidos políticos tradicionais, a ascensão do populismo, o desafio da imprensa perante as novas dinâmicas políticas, as políticas públicas para o fortalecimento das liberdades, da igualdade e de um desenvolvimento económico e social sustentáveis na atual conjuntura internacional e a própria questão da geopolítica, assim como aspetos da vida política tanto de Portugal como de Cabo Verde. Fazem-no em primeira pessoa e colocam-se como sujeitos de muitos dos aspetos contemporâneos que abordam.

    12.00€
  • AINDA BEM QUE FICOU DESSE LADO

    0 de 5

    O que houve de verdadeiramente inovador em séries como Os Sopranos , Mad Men ou Breaking Bad ? Porque
    terá a Netix imitado a televisão para se substituir a ela? Estará a televisão “clássica” realmente a morrer? E
    as audiências, o que são anal e como se medem? São mais importantes nos programas ou nos intervalos?
    Para que serve um apresentador e porque pede palmas a toda a hora? Como é que nas séries fala sempre
    um de cada vez e ninguém se interrompe? Porque haverá tantas passadas em hospitais? E, claro, o que
    justica a obsessão das telenovelas (e de algumas séries) por salas gigantes, com escadarias que vão dar a
    quartos, e pequenos-almoços servidos à mesa com todos a intrigarem logo de manhã cedo?
    Estas e outras questões sobre Televisão, a sua história, a sua técnica, o impacto que teve e tem na sociedade
    e nas nossas vidas, são abordadas por Pedro Boucherie Mendes, prossional e profundo conhecedor do
    género, cuja carreira e visão têm marcado a televisão em Portugal nos últimos 10 anos.

    13.95€
  • HUMANUS

    0 de 5

    Esta é uma obra comemorativa dos cinco anos da Escorpião Azul como chancela de banda desenhada que publica maioritariamente autores lusos. Nele estão incluídos 37 autores entre desenhadores e argumentistas, desconhecidos e conhecidos que contribuíram com as suas 33 histórias dos mais variados estilos, para dar à luz do dia esta colectânea que homenageia a banda desenhada no seu todo e que quer dar uma visão mais abrangente daquilo que hoje se faz em Portugal.

    21.00€
  • LUZES DE NITERÓI

    0 de 5

    Inspirando-se livremente em acontecimentos reais da vida de seu pai, Hélcio Carneiro Quintanilha, Marcello Quintanilha presta reverência às histórias de aventuras, criando uma ode ao mito do jogador brasileiro de futebol oriundo das fábricas, aos anos dourados de um país que se destacava internacionalmente impulsionado pelo crescimento económico do pós-guerra mas, sobretudo, à amizade.

    Do mesmo autor, na Polvo: “Tungsténio”, “Talco de vidro”, “Hinário Nacional”, “Fealdade de Fabiano Gorila”, “O ateneu”.

    21.00€
  • SAGA VOL. 8

    0 de 5

    Argumento de BRIAN K. VAUGHAN e arte de FIONA STAPLES

    SAGA narra a luta de uma jovem família para encontrar o seu lugar num universo vasto e hostil, e já foi descrito como um encontro entre a Guerra das Estrelas e Romeu e Julieta no espaço. Depois dos eventos traumáticos da Guerra por Phang, Hazel e a sua família e companheiros iniciam uma aventura que os irá mudar para sempre, nos limites mais distantes da galáxia. E teremos a oportunidade de descobrir o que aconteceu a Ghüs e à Vontade!

    Fantasia e ficção científica – e sexo, traição, morte, amor verdadeiro e vinganças obsessivas – juntam-se como nunca antes neste épico subversivo e provocante do escritor Brian K. Vaughan e da artista Fiona Staples, que questiona incessantemente as narrativas e preconceitos do nosso tempo através do contraste com o seu mundo surreal e bizarro.

    “O génio de SAGA não está só no seu argumento hábil e inteligente ou na sua arte maravilhosa, mas na simples e tremenda coragem de ter uma aristocracia robot, assassinos com corpo de aranha, e uma gata mentirosa incrivelmente cativante. Esta explosão de ideias que existe em SAGA de algum modo condensa-se e transforma-se na mais essencial das bandas desenhadas modernas.”

    – THE IRISH TIMES

    SAGA já venceu doze Prémios Eisner – o galardão máximo da banda desenhada anglo-saxónica – entre os quais prémios para Melhor Série em Continuação, Melhor Nova Série, Melhor Argumento e Melhor Arte. Foi também premiado com o Hugo para Melhor História Gráfica – os Hugos distinguem a melhor ficção científica publicada em cada ano, e com uns incríveis dezassete Harveys, que premeiam os melhores comics independentes, incluindo Melhor Argumento, Melhor Artista, e Melhor Nova Série.

    O volume 9 está programado para o início do Verão de 2019 em Portugal. Os autores fizeram uma pausa na produção da série, que deverá regressar depois em 2020 com o volume 10.

    12.00€
  • OUTCAST VOL.4 : SOB A ASA DO DIABO

    0 de 5

    A nova série de terror do criador de THE WALKING DEAD.

     Toda a vida, Kyle Barnes foi perseguido por influências demoníacas, e, para sobreviver e defender aqueles que ama, precisa de respostas… e essas respostas começam finalmente a chegar, e a serem revelados segredos, quando Kyle e Sidney têm uma conversa que vai mudar tudo. Mas a família Barnes fica em mais perigo do que alguma vez esteve! Allison descobre que a sua filha tem um dom muito especial, mas onde está Kyle? E Anderson, estará disposto a arriscar tudo para o salvar?

    Robert Kirkman é um dos mais influentes criadores de comics actual, e um dos cinco partners da Image – o único que não é um dos fundadores. Kirkman é mundialmente famoso pela série The Walking Dead, que foi adaptada à TV pela Fox e se transformou num dos maiores êxitos de sempre.  É considerado como um dos grandes responsáveis daquilo que foi chamado a “Revolução Image”, o incrível período de criatividade pelo qual a editora tem passado e que a transformou numa das maiores editoras de BD do mundo, a terceira maior do mercado americano.

    Paul Azaceta, o desenhador de Outcast, é um artista cujo estilo simples, directo e arrojado, já ilustrou séries como Demolidor, Punisher Noir, Homem-Aranha e outras. Outcast é o seu trabalho mais mediático e aclamado, onde o seu estilo, geralmente visto nas páginas de comics de acção muito dinâmicos, é posto ao serviço de uma narrativa pausada e inquietante. O trabalho de Azaceta pode também ser visto no excelente romance policial noir Potter’s Field: O Cemitério dos Esquecidos (com argumento de Mark Waid), também editado pela G. Floy.

    “Este é o volume em que subitamente o horror chega, não só pela história que está a ser contada, mas pela arte que a está a contar. Os eventos que aqui acontecem elevam a brutalidade da acção a um nível superior, que é mesmo chocante na maneira como a equipa artística consegue criar uma cena de tal maneira forte que é uma verdadeira declaração de guerra acerca desta guerra que está a acontecer no livro. Um momento do qual não há como regressar, e que vai fazer com que os leitores questionem quem é o verdadeiro monstro.”

    – Geeked Out Nation

    Outcast está programado para um total de 48 números. A G. Floy planeia editar os arcos de história finais da série em dois volumes duplos, de c. 256 pgs. que reúnem 12 comics individuais cada. O vol. 5 está programado para a Primavera de 2019, e o vol. 6 será provavelmente editado em inícios de 2020 (já que o último número da série, o #48, sairá nos EUA em Dezembro de 2019).

    12.00€
  • ASTONISHING X-MEN LIVRO UM

    0 de 5

    Uma das mais célebres e aclamadas séries dos X-Men regressa a Portugal numa edição de luxo!

    A épica série de Joss Whedon e John Cassaday, num volume inicial que reúne duas grandes sagas: Sobredotados e Perigo! Na primeira história, Ciclope e Emma Frost reúnem uma nova equipa para “surpreender” o mundo, e Wolverine, Kitty Pryde e Fera serão com eles a nova cara dos X-Men. Mas a aparição de uma “cura” para o gene mutante pode fazer falhar os planos mais bem intencionados. No segundo arco, o Instituto Xavier é abalado por uma morte trágica, e os X-Men descobrem um inimigo oculto e letal a viver entre eles – um inimigo que os estudou durante anos e conhece todos os segredos da equipa!

    Com este magnífico volume que lançou esta saga dos X-Men, é justo dizer-se que estamos perante uma das maiores duplas de criadores de todos os tempos da Marvel, e uma das mais importantes séries de sempre do universo dos mutantes. Joss Whedon é hoje um dos realizadores mais conhecidos de Hollywood, responsável pelos filmes dos Vingadores, e aqui encontramo-lo aliado a um dos maiores desenhadores de comics de sempre, John Cassaday, que na altura estava a começar a atingir a fama com Planetary. Com dois pesos pesados ao leme, não é de estranhar que Astonishing X-Men se tenha tornado numa das mais aclamadas séries de comics de sempre. Nomeada para inúmeros prémios Eisner, venceu em 2006 o prémio para Melhor Série em Continuação, e por duas vezes, em 2005 e 2006, o prémio foi para Cassaday como Melhor Desenhador.

    “Viver confinado aos muros do Instituto Xavier é um pobre substituto para a liberdade, quando o mundo olha para os mutantes com medo e ameaça. Dilemas morais, rivalidades e disputas de há longa data, ressentimentos antigos – Whedon pegou nas melhores motivações criadas por Claremont na era clássica, e construiu à sua volta uma história sobre superação de obstáculos e o ultrapassar de fraquezas. Embora seja – obviamente – uma história de acção, a componente psicológica tem um lugar importante. Entre segredos negros e desejos ocultos que vêm à tona, são os instintos originais dos X-Men que se revelam de novo. Vale a pena prestar atenção à metamorfose que ocorre em Kitty Pryde, por exemplo, que se vai tornar numa das personagens centrais do livro!”

    Marcin Andrys – do prefácio

    No nosso país, esta série de Joss Whedon já foi editada duas vezes: pela BdMania, que editou os quatro volumes (a partir de 2018), e pela Salvat que editou os primeiros dois na sua Colecção Oficial de Graphic Novels Marvel (vols. 4 e 21). A edição da G.Floy irá reunir os volumes dois a dois, e julgamos que o novo formato em que vai lançar esta série icónica dos X-Men, em volumes de cerca de trezentas páginas, em formato maior, justificará a compra por parte de alguns dos fãs que já a tinham. E, claro, dará a conhecer a uma nova geração de leitores a saga Astonishing X-Men, incluindo a leitores que talvez ainda não conheçam os mutantes da Marvel.

    25.00€
  • MOONSHINE VOL.1: SANGUE E WHISKY

    0 de 5

    Há coisas que vão sempre bem juntas, como café e bolachas de chocolate, bife e batatas fritas, ou Brian Azzarello e Eduardo Risso, uma das duplas de argumentista e artista mais famosas nos comics, que formam uma parceria que dura há já duas décadas. E Moonshine é a sua nova série independente, uma colaboração que iniciam num comic que nos levará pelos anos 1920 e a Era da Proibição, com gangsters, traficantes, e… lobisomens?

    Durante a Proibição, Lou Pirlo, um gangster de Nova Iorque a soldo de um dos maiores reis do crime da cidade, tem de viajar para os isolados Montes Appalachia e descobrir um fornecedor de bebida ilegal. Mas o que ele descobre na realidade, é um terrível segredo sobrenatural que não pode nunca ser revelado à luz do dia, ou melhor… nunca poderá ver a luz da lua cheia!

    “Moonshine tem uma atmosfera que nos assombra e seduz, e que torna a história tão cativante quanto misteriosa. Azzareloo e Risso conseguiram criar mais um best-seller!”

    – IGN

    “Um livro quase perfeito.”

    – Nerdist

     Brian Azzarello é um hoje um dos mais conhecidos argumentistas dos comics americanos. A sua carreira iniciou-se na Vertigo, e um dos seus primeiros sucessos foi Johnny Double, que marcou também a sua primeira colaboração com Eduardo Risso, e que levaria pouco tempo depois ao lançamento de 100 Balas, talvez a mais conhecida obra desta dupla. Depois de muitos anos de trabalhos diversos para as principais editoras americanas, DC e Marvel, notabilizou-se mais recentemente pela sua colaboração com Frank Miller em The Master Race, a saga de Batman que é a conclusão de O Regresso do Cavaleiro das Trevas.

    Quanto a Eduardo Risso, já tinha construído uma longa carreira de sucesso na sua Argentina natal e na Europa, com destaque para os mercados italiano e espanhol, mas depois de ter ilustrado Johnny Double para Azzarello, o bom entendimento entre ambos levou a que iniciassem a série 100 Balas, que os propulsou para o estrelato dos comics. Ao longo dos anos colaborou extensamente com Azzarello, embora tenha também assinado álbuns para outros escritores, de que um bom exemplo é Wolverine: Logan, publicado pela G. Floy, com argumento de Brian K. Vaughan. Em 2018, Risso desenhou também o primeiro álbum de Torpedo em quase quinze anos, e neste Moonshine assina também as cores.

    Nos EUA o segundo volume da série sai em finais de Outubro deste ano, e tem lançamento previsto em Portugal no Verão de 2019. E qual o futuro para Moonshine? Azzarello afirmou recentemente que, “planeámos uns 30 números da série, até agora. Não quer dizer que não haja material e histórias para contar suficientes para estender Moonshine muito para além disso… mas acho que nunca haverá outro 100 Balas. Um é suficiente!”

    14.00€

Sugestões

  • AFIRMA PEREIRA

    0 de 5
    18.00€
  • PATAGÓNIA

    0 de 5

    Nesta singular aventura, escrita de forma apaixonada por Mauro Boselli e esplendidamente desenhada por Pasquale Frisenda, Tex e o seu filho Kit Willer viajam até à Patagónia, nos confins da Argentina, ao pampa, para participarem numa missão que é, ao mesmo tempo, de resgate de prisioneiros e punitiva, na sequência de sanguinários ataques por parte dos índios. Trata-se de uma movimentada história, cheia de acção, que aborda com singular realismo o genocídio das tribos índias e onde assistimos à luta de um povo pela sua sobrevivência, à custa de muita tenacidade, determinação, heroísmo, vontade de liberdade, sacrifício, sangue e mortos.

    16.99€
  • CORTO MALTESE – SEMPRE UM POUCO MAIS LONGE

    0 de 5

    Corto Maltese alarga o seu périplo tropical à selva sul e centro-americana e às ilhas caribenhas. Vudu e política, golpes e repúblicas de bananas, escravatura, mulheres belas e misteriosas, a duradoura miragem do Eldorado, são alguns dos cenários e dos meandros das aventuras deste herói singular, independente e livre, imbuído de um certeiro instinto de justiça. Na extraordinária elegia que é «A Lagoa dos Bons Sonhos», o fim próximo da I Guerra Mundial é pretexto para uma meditação melancólica sobre os sonhos de glória.

    26.95€
  • RIMAS ESQUECIDAS

    0 de 5

    Esquecidas são as rimas que se foram perdendo ao longo do tempo, mas que tomam
    forma para demonstrar o quão forte pode ser algo que se esqueceu.
    Como um pensamento perdido ou uma memória oculta, este livro tenta explicar a
    proveniência do nosso nascimento, da nossa felicidade, da nossa dor, dos nossos
    remorsos amorosos e, por fim, como partimos.
    ► Uma obra poética singular, muito influenciada por Fernando Pessoa e Ruy Belo.
    ► O livro ideal para os iniciantes na leitura poética, com uma estrutura muito fixa,
    que tem por base os sonetos, e com uma musicalidade envolvente.

    9.90€
  • ESPELHO CONVEXO

    0 de 5

    Em Espelho Convexo a poesia jamais morrerá; o teatro é o autoconhecimento do
    Homem; o conto eleva-nos ao grandioso gosto pelas histórias sem tempo; uma tradução
    permite-nos encontrar o sentido do todo, palavra a palavra; um estudo etnográfico
    é tão-somente conhecer as raízes de um povo; entretanto, as imagens que dividem
    os capítulos enfeitam com nobreza cada pátio de entrada.
    ► Uma obra única e incomparável, com múltiplos sentidos, que tanto podem ser harmoniosos
    como violentos, e que nos arrasta para o interior de nós mesmos na busca
    de beleza e de emoção.
    ► Neste livro, para além de poesia, poesia narrativa e um estudo etnopoético, a autora
    oferece-nos dois textos de teatro, um conto e a tradução de uma composição literária do
    poeta mexicano Jorge Manuel Herrera, numa incursão por estilos diversificados que lhe
    permitem mostrar o seu domínio do ofício e a sua capacidade experimentalista.

    14.90€

Livraria Online Consulte a nossa loja de venda de livros. com mais de 350 livros à venda para si.Loja online

livraria onlineConsulte a nossa livraria online. Somos uma empresa que vende livros de outras editoras, distribuimos e editamos livros.Vendemos livros de literatura, ficção, bandas desenhadas, livros para o ensino etc.

Somos uma distribuidora e editora de livros.

Venda de livros para todos os gostos, todas as faixas etárias.Dúvidas frequentes para comprar livros na nossa livraria online

Vendemos livros para todo o território nacional. Visite a livraria online de uma das maiores distribuidoras de livros em Portugal: Europress Editora.Saiba os custos de envio da encomenda do seu livro na nossa livraria online